Siga o Jornal de Brasília

Saúde e Bem Estar

Após mudança de regra, governo diz negociar 30 mi de doses da Sputnik e Covaxin

A conversa ocorre após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) facilitar a aprovação do uso emergencial de vacinas no Brasil

Publicado

em

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

O Ministério da Saúde afirmou nesta quarta-feira, 3, que negocia a compra de 30 milhões de doses contra a covid-19 das vacinas russa Sputnik V e da indiana Covaxin. A pasta prevê se reunir nesta sexta-feira, 5, com representantes dos desenvolvedores dos dois imunizantes para tratar da aquisição e tem expectativa de receber os produtos ainda neste mês.

A conversa ocorre após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) facilitar a aprovação do uso emergencial de vacinas no Brasil. Por enquanto, a gestão Jair Bolsonaro tem acordos para compras dos produtos Oxford/AstraZeneca e da Coronavac, mas tem sido pressionado para ampliar a oferta de doses e acelerar a campanha de imunização.

Nesta quarta, 3, a agência decidiu dispensar a realização da fase três de estudos clínicos no Brasil para analisar o pedido de uso emergencial de um imunizante contra o novo coronavírus. Estudo publicado na revista The Lancet esta semana comprovou que a Sputnik, produzida pelo Instituto Gamaleya, tem 91,6% de eficácia. Parceira dos russos no Brasil, a empresa União Química espera importar 10 milhões de doses prontas até março e planeja estar, em abril, pronta para fabricar oito milhões de unidades por mês.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Já a Covaxin, do laboratório Bharat Biotech, teve estudos da fase 1 publicados em revista científica, mas os testes de eficácia (fase três dos do estudo) ainda não foram divulgados. A mudança de regra da Anvisa elimina a necessidade de ensaios clínicos brasileiros para o uso emergencial, mas exige a apresentação de dados dessa etapa, ainda que feita no exterior, para a concessão de qualquer registro de uso. Essa parte da pesquisa é importante para determinar o grau de proteção do imunizante contra a doença.

Segundo o ministério, a empresa indiana sinalizou que poderia entregar oito milhões de doses ainda em fevereiro e, no mês seguinte, mais 12 milhões. Menos conhecida no Brasil, a Covaxin ganhou espaço no noticiário após a Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC) divulgar que negociava cinco milhões de doses com a Bharat Biotech. O Ministério da Saúde disse que mesmo clínicas particulares deverão seguir as diretrizes do SUS sobre grupos prioritários.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta