A esperança nos afetos

afetos

Psicanálise da Vida Cotidiana

“Seres graciosos queixosos e esquivos/ Encontreis refúgio na nossa origem
Senti-vos benvindos e redivivos/ Suave abraço e versos vos cingem.”

Stefan George

Num belo ensaio de Georg Lukács, A nova solidão e sua lírica: Stefan George, em seu livro A alma e as formas –  ensaios, o filósofo e crítico húngaro, dos mais importantes do século XX, faz reflexões encantadoras sobre o poeta alemão, Stefan George, poeta simbolista, um dos herdeiros de Mallarmé.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Atualíssimo, Stefan George foi sempre preocupado com as dificuldades afetivas dos homens, resgatando em sua poesia lírica e formal, a possibilidade do reencontro dos seres humanos nessa vida cindida e escamoteada na esteira de uma racionalidade estúpida, onde o amor a si próprio e aos outros são questões secundárias diante da idealização do homem-econômico-burguês-materializado. O humanismo está sendo destruído diante de uma sociedade marcada pelo “ter” e não “o ser”, carente de afeto, depressiva, vazia, negando os valores éticos e morais, regredindo a cada dia para uma bestialidade destrutiva e bárbara.

Georg Lukás enfatiza em seu ensaio, que: “A lírica de Stefan George praticamente não conhece o lamento: tranquila, resignada, mas sempre valente, de cabeça erguida, mira a vida nos olhos”. A obra poética de Stefan é feita de “canções de um viajante”, de alguém que caminha por entre estradas mostrando que o importante não são “as fontes de riqueza” e sim o “enriquecimento da alma”.

Em 2012, a editora Iluminuras lançou uma obra bilíngue de Stefan George Crepúsculo, um livro de poemas. Seus poemas primam pela métrica clássica e têm uma linguagem formal e musical. Vários dos seus poemas foram musicados por Arnold Schoenberg, contemporâneo do poeta. Eduardo de Campos Valadares, editor e tradutor, mostra o que os temas das poesias refletem o conflito do individual com o coletivo, o “homo sapiens versus a natureza”, “o transitório versus o transcendente”.

Um dos poemas que me comove, mostrando as dores do mundo atual, é Praias do Sul: Enseadas. Cito-o:

“Há muito trilho sempre as mesmas costas.
De lindas cidades como um colar
Aqui e ali mesas nupciais postas…
Sou estranho a perambular. Detenho-me sempre nas mesmas pontes
Sem sabedorias — só amargura
Seduzido pelas antigas fontes
Portais circulo na loucura. Enquanto nos salões dançam casais
Cobertos de ricas joias e flores:
Sigo a gente mais humilde no cais…
Tais são na solidão das dores”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Carlos de Almeida Vieira

Por Carlos de Almeida Vieira
Médico, Psiquiatra, Psicanalista da Sociedade de Psicanálise de Brasília SPBsb, Membro da Federação Brasileira de Psicanálise –  FEBRAPSI e da International Psychoanalytical Association IPA/London

BDF na Rede

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend