Siga o Jornal de Brasília

Política e Brasil

MDB negocia acordo com Alcolumbre e pode abandonar Tebet na eleição do Senado

O atual presidente do Senado teria oferecido à sigla a vice-presidência da Casa, a segunda secretaria e duas comissões

Publicado

em

A bancada do MDB sinalizou um acordo de composição de chapa com o DEM e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para a disputa pelo comando da Casa.

O partido pode inclusive abandonar sua candidata, Simone Tebet (MDB-MS). A senadora, por sua vez, garantiu que levará sua candidatura até o fim. A eleição será na próxima segunda-feira (1º).

A bancada do MDB se reuniu por quatro horas nesta quarta-feira (27), após uma grande ofensiva de Alcolumbre para que os emedebistas desistissem da candidatura. O atual presidente do Senado teria oferecido à sigla a vice-presidência da Casa, a segunda secretaria e duas comissões.

A proposta teria sido feita na noite de terça-feira (26), em uma conversa de Alcolumbre com o líder da bancada, Eduardo Braga (MDB-AM). Os dois e Tebet voltaram a conversar na manhã desta quarta, quando a senadora afirmou que seguirá candidata.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

No entanto, cresceu entre os emedebistas a pressão pela desistência para que o partido possa obter melhores posições na futura Mesa Diretora. Senadores avaliam que Rodrigo Pacheco (DEM-MG), candidato de Alcolumbre, já teria apoio suficiente para vencer a eleição.

Tebet contaria atualmente com o apoio de MDB, Podemos, Cidadania, PSB, parte do PSDB e alguns dissidentes de outras bancadas. Na melhor das hipóteses, teria 35 votos.

Enquanto isso, Pacheco já teria alcançado com folga os 41 votos necessários para vencer a disputa. Como a votação é secreta, no entanto, pode haver traições.

A reunião nesta quarta se destinou a avaliar o desempenho de Tebet até o momento, com muitos senadores emedebistas classificando como “frustrante” a falta de apoio.

“Quando fizemos isso [decisão da candidatura de Tebet, por aclamação], estávamos diante de algumas expectativas e de algumas premissas de apoiamentos de alguns partidos. Esses apoiamentos vieram, em parte, e em parte não se confirmaram”, afirmou Braga após o encontro.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“A senadora reafirmou hoje [quarta] que é candidata. Ela compreende uma decisão que o partido venha a tomar, mas que ela manterá sua candidatura”, acrescentou.

Braga vai se reunir novamente com Alcolumbre nesta quinta-feira (28) para tratar da composição de chapa. O líder da bancada afirmou que uma nova reunião pode ser convocada para decidir a posição do MDB.

O senador, no entanto, negou que esteja negociando cargos em troca da desistência. Afirmou ter sido procurado por Alcolumbre em busca de consenso. Os cargos mencionados na conversa seriam apenas as posições a que o partido teria direito, de acordo com a regra de proporcionalidade.

O MDB detém a maior bancada, com 15 senadores. Caso decidam trabalhar na composição de uma chapa com Pacheco, Braga disse que vai liberar a bancada para que votem como quiserem.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Tebet deixou a reunião aparentando irritação, respondendo a poucas questões dos jornalistas enquanto caminhava para a saída do Senado. “Eu sou candidata, sou candidata até o fim”, disse ela.

Indagada sobre se contava com o apoio do MDB, respondeu que a pergunta deveria ser direcionada a Braga. O líder, por sua vez, disse que não poderia garantir que a bancada ainda está apoiando Tebet, uma vez que ouviu posições em sentido contrário durante a reunião.

Essa é a segunda disputa seguida pelo comando do Senado com um conflito entre Tebet e caciques do MDB. Há dois anos, a senadora disputou internamente com Renan Calheiros (MDB-AL), que venceu o pleito interno após filiar senadores de última hora.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Tebet levou sua candidatura de maneira independente até o fim, só retirando-a no dia da votação. Articulou em benefício de Alcolumbre, que venceu a eleição final após Renan retirar a sua candidatura quando constatou que não teria votos suficientes.

Na eleição deste ano, o MDB havia pregado união e disse que teria candidatura única. A disputa começou com quatro pré-candidatos: Braga, Tebet e os líderes do governo no Congresso e no Senado, respectivamente Eduardo Gomes (TO) e Fernando Bezerra Coelho (PE).

Tebet saiu vencedora, após seus adversários não conseguirem obter apoio de outras bancadas.
A desistência da candidatura do MDB também era uma opção que agrada o Palácio do Planalto, para evitar possíveis ressentimentos e rebeliões dos emedebistas.

Poucos acreditam que o MDB pudesse virar oposição. No entanto, o partido poderia impor problemas com obstruções de pautas importantes em busca de agrados do Executivo.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta