Siga o Jornal de Brasília

Política e Brasil

Em livro, Cunha diz que Temer foi “o militante mais atuante” no impeachment de Dilma

Avatar

Publicado

em

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha promete fazer revelações bombásticas nos próximos meses. Cunha vai lançar o livro “Tchau, Querida”, onde contará detalhes sobre o processo de impeachment de Dilma Rousseff, em 2015.

A colunista Monica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo, teve acesso à introdução do livro, que ainda não passou por revisão gramatical. No trecho, Cunha culpa três figuras políticas pelo impeachment de Dilma: o ex-presidente Michel Temer, o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o candidato à presidência da Casa, deputado Baleia Rossi — que é apoiado por Maia.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Cunha critica o livro de Temer, “A Escolha”, ao afirmar que o ex-presidente quis dizer que apenas foi beneficiado com o cargo e que não teve envolvimento no impeachment. Para Cunha, foi o contrário: Temer militou para derrubar Dilma.

“O principal beneficiário do processo, foi sim o militante mais atuante e importante. Sem essa sua atuação não teria havido o impeachment.”

Segundo Cunha, Maia “não tinha limites para a sua ambição e vaidade”. O atual presidente da Câmara teria sido um articulador e “um dos principais militantes” pelo impeachment, buscando “os holofotes dessa participação”. Maia teria cedido sua residência para sediar reuniões cruciais para o impedimento de Dilma.

Quanto a Baleia Rossi, o deputado teria trabalhado no impeachment buscando ser beneficiado através de seu pai, Wagner Rossi, “ex-deputado e principal ‘parceiro’ político de Michel Temer, como lembra Cunha no livro:

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“Para quem não sabe, coube a Wágner Rossi, a aproximação entre Michel Temer e Joesley Batista. Isso está refletido nas delações de Joesley e de Lúcio Funaro. Dentre as denúncias, a empresa “A Ilha Produção ltda “, pertencente ao irmão de Baleia e a sua mulher, receberam nas campanhas eleitorais de 2010, 2012 e 2014, milhões de reais em pagamentos oficiais e caixa 2, inclusive da Odebrecht, conforme outra delação, dessa vez do marqueteiro Duda Mendonça.”

Cunha cita ainda que Baleia quase assumiu o Ministério dos Esportes durante a gestão Temer, mas só não chegou ao cargo porque, à época, era investigado por fraudes na merenda escolar de São Paulo. Este processo foi arquivado pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), dois anos depois.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *