Novo manual do MEC coloca regras de aparência para estudantes de escolas cívico-militares

Cabelo cortado com contornos junto às orelhas e o pescoço, em tonalidade natural, além de sem adereços nas sobrancelhas, são algumas das exigências. Para as meninas, o manual estipula que o cabelo seja “cuidadosamente arrumado” e, quando médio ou longo, que esteja em “rabo de cavalo”.

Um manual para Escolas Cívico-Militares de 324 páginas foi distribuído pelo Ministério da Educação (MEC) com regras e orientações para alunos e professores.

Algumas das determinações da cartilha, por exemplo, diz que que meninos tenham o cabelo “cortado de modo a manter nítidos os contornos junto às orelhas e o pescoço”, que estejam bem barbeados e “com cabelos e sobrancelhas na tonalidade natural e sem adereços”, como piercings.

Para as meninas, o manual estipula que o cabelo seja “cuidadosamente arrumado” e, quando médio ou longo, que esteja em “rabo de cavalo” na parte superior da cabeça ou trança simples”. As alunas só podem usar adereços “discretos” e saia-calça.

O manual ainda diz que em caso de “problemas que não puderem ser resolvidos” pelo diretor, sejam informados ao Ministério da Defesa, às Forças Armadas ou de segurança estaduais e municipais.

 

Músicas

Outra parte do manual coloca critérios para as músicas tocadas na escola, de modo a “despertar o entusiasmo pela escola, pelos heróis nacionais e pela Pátria”, e define como valores “o amor à profissão das armas” e “a fé na missão elevada das Forças Armadas”.

O texto ainda determina a adoção de um sistema de avaliação de comportamento dos alunos, com notas que vão de “mau” até “excelente” e com pontos que podem ser atribuídos por meio de elogios coletivos e individuais ou retirados por meio de repreensões.

O atual governo brasileiro tem como objetivo implantar 216 escolas do tipo até 2023. O plano está sendo distribuído a todas as secretarias estaduais de educação do país.


Tags
Send this to a friend