Secretário de Cultura afirma que não plagiou nazista

Roberto Alvim publicou uma nota de esclarecimento em seu Facebook e disse que tudo não passou de uma ‘coincidência retórica’

Após causar polêmica citando textualmente trechos de um discurso do ideólogo nazista Joseph Goebbles, quando anunciou em vídeo o Prêmio Nacional das Artes nesta quinta-feira (16), o secretário de cultura Roberto Alvim postou uma nota de esclarecimento em seu Facebook dizendo que “o que a esquerda está fazendo é uma falácia de associação remota”. 

Ao anunciar a liberação de R$ 20 milhões para a premiação, Alvim disse que “a arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional, será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional, e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo – ou então não será nada”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Joseph Goebbels já havia dito algo bem parecido no auge do nazismo.  “A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”, afirmou em pronunciamento para diretores de teatro. 

Para completar, Alvim postou o vídeo com a ópera de Richard Wagner, compositor preferido dos nazistas ao fundo, o que causou mais especulações e debates sobre o discurso. 

Nesta sexta-feira (17), o secretário de Cultura fez um post no Facebook atacando a esquerda e se defendeu dizendo que tudo não passou de uma ‘coincidência retórica’.   

No final da mensagem, porém, o secretário elogia a ideia de Goebbels: “mas a frase em si é perfeita. Heroísmo e aspirações do povo é o que queremos ver na Arte nacional”.

O governador do Maranhão, Flávio Dino, afirmou pelo Twitter, nesta sexta-feira (17), que “um vídeo nazista não é apenas ridículo. É perigoso e ilegal”, se referindo ao vídeo feito por Roberto Alvim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Para ele, o fato “desrespeita os judeus no mundo inteiro, inclusive no Brasil”. O governador disse ainda que o vídeo “deve ser objeto de repúdio e de providências no Congresso Nacional e no Poder Judiciário”.

 

Send this to a friend