‘Quem não presta tem que mandar embora’, diz Bolsonaro

Presidente negou que medida tenha ligação com Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, que vem fazendo denúncias contra membros do governo

Ao defender a portaria publicada esta semana pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que permite a deportação “sumária” de estrangeiros considerados “perigosos”, Bolsonaro negou que a medida tenha ligação com o jornalista americano Glenn Greenwald, um dos fundadores do site The Intercept Brasil, que vem publicando supostos diálogos entre Sergio Moro e procuradores da Lava Jato em Curitiba, como Deltan Dallagnol.

“Pelo que o Moro falou comigo, ele tem carta branca, né, eu teria feito um decreto. Tem que botar pra fora mesmo, quem não presta tem mandar embora. Não tem nada a ver com o caso desse Green-não-sei-o-quê aí (Glenn Greenwald), nada a ver com o caso dele. Tanto é que não se encaixa nessa portaria o crime que ele está cometendo. Até porque ele é casado com outro homem e tem meninos adotados no Brasil. Malandro, pra evitar um problema desse, né, casa com outro malandro ou não casa, ou adota criança no Brasil”, comentou Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O presidente ainda ironizou o fato de americano não correr risco de ser deportado, mas poderia ir parar na prisão aqui no Brasil. “Ele não vai embora. O Green pode ficar tranquilo. Talvez pegue uma cana aqui no Brasil, não vai pegar lá fora não”, afirmou.

Mais cedo, o presidente defendeu que “publicar informações mentirosas, mesmo sabendo que foram mentirosas, e não se retratar é um crime também”, em referência à investigação sobre a suposta invasão de hackers a dados de aparelhos celulares de autoridades do País.

A portaria de Moro prevê que estão sujeitos ao “rito sumário de expulsão” estrangeiros suspeitos de terrorismo, de integrar grupo criminoso organizado ou organização armada e pessoas acusadas de traficar drogas, pessoas ou armas de fogo.

Bolsonaro corroborou que estrangeiros suspeitos de cometer crimes sejam deportados, mesmo que os supostos crimes não tenham sido comprovados judicialmente.

“Eu não sou xenófobo, mas na minha casa entra quem eu quero”, disse. “É suspeito apenas, sai daqui. Já tem bandido demais no Brasil. O sentimento dele é o meu, parabéns ao Moro pela portaria”, declarou o presidente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend