Siga o Jornal de Brasília

Destaque

Em meio à crise, ministros da ala militar defendem encontro entre Bolsonaro e Maia

Publicado

em

Para interlocutores do presidente, a aprovação da PEC do Orçamento na Câmara foi motivada por uma espécie de ‘crise de abstinência de protagonismo’ do Legislativo

Ministros da ala militar do governo passaram a defender que o presidente Jair Bolsonaro “volte para o compasso” e chame o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para conversar.

A crise entre os dois começou na semana passada e, nesta quarta-feira (27), Maia chegou a dizer que Bolsonaro está “brincando de presidir”. O presidente, por sua vez, disse que “não existe brincadeira, muito pelo contrário”.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Para ministros da ala militar, o Palácio do Planalto precisa focar na aprovação da reforma da Previdência e não se perder em outros temas, como tem ocorrido nos últimos dias. Nesta semana, por exemplo, o palácio defendeu as comemorações do golpe de 1964.

Um integrante do governo usou a seguinte expressão para definir a troca de farpas entre Rodrigo Maia e Bolsonaro: “Estamos gastando pólvora em chimango”. A expressão gaúcha significa gastar o tempo com bobagens.

Interlocutores do presidente avaliam que a reação da Câmara ao aprovar a PEC do Orçamento na terça-feira (26) foi motivada por uma espécie de “crise de abstinência de protagonismo” do Legislativo. Afirmaram, contudo, que Bolsonaro já se convenceu de que precisa agradar políticos, o que parlamentares duvidam.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

‘Voltar para o compasso’

Mas há um entendimento nos bastidores do governo de que o presidente precisa “voltar para o compasso” e chamar Rodrigo Maia para “dançar”, já que todos têm como objetivo a reforma da Previdência. “Ele é protagonista da reforma”, disse um ministro ao blog.

Maia, no entanto, lembrava na semana passada a quem o questionava que, quando criticou o ministro Sérgio Moro (Justiça) e afirmou que ele ‘conhece pouco a política’, Bolsonaro não o procurou no dia seguinte.

Naquela ocasião, quem procurou Maia para apaziguar os ânimos foi o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, um dos bombeiros escalados para contornar a crise política entre os presidentes da Câmara e da República.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Desse histórico de desentendimentos surgiu a desconfiança de Maia e dos parlamentares com a mudança de postura de Bolsonaro. Segundo ministros, o presidente vai chamar líderes para conversar após a volta da viagem de Israel, marcada para a próxima semana.

Enquanto isso, além das pautas econômicas que podem ser debatidas nas próximas semanas, como a autonomia do Banco Central, deputados discutem pautar matérias de comportamento, área cara ao governo.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta