Bolsonaro rebate Maia e cita ‘velha política’

O presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), protagonizaram ontem um tiroteio verbal

O resultado foi a ampliação do atrito que tem como pano de fundo a relação entre Executivo e Congresso e a articulação para a reforma da Previdência. Enquanto Maia manteve as críticas à condução do governo da proposta no Parlamento, Bolsonaro disse em Santiago, no Chile, que as divergências acontecem no País porque alguns “não querem largar a velha política”.

Bolsonaro também alegou não saber por que Maia anda tão “agressivo” com ele. Mas afirmou que o perdoa pelas críticas por causa da “situação pessoal” vivida pelo deputado – numa referência velada à prisão preventiva do ex-ministro Moreira Franco, padrasto da mulher de Maia.

“Eu lamento. Até perdoo o Rodrigo Maia pela situação pessoal que ele está vivendo. O Brasil está acima dos meus interesses e do dele. O Brasil está em primeiro lugar.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Bolsonaro repetiu que a “bola” pela votação da reforma está agora com Maia e com o Congresso, e não mais com o Planalto. “Não serei levado para um campo de batalha diferente do meu. Eu respondo pelos meus atos no Executivo, Legislativo são eles, Judiciário é o Dias Toffoli”, disse Bolsonaro ao deixar o Palácio de La Moneda, sede do governo do Chile, ao lado do presidente Sebastián Piñera.

“O que é articulação? O que falta eu fazer? Eu pergunto para vocês. O que foi feito no passado? Veja onde estão dois ex-presidentes. Eu não seguirei o mesmo destino de ex-presidentes, pode ter certeza.”

Em resposta ao presidente, Maia usou um dos motes do governo para sustentar que essa ofensiva não leva a nada.

“Construir um novo Brasil passa pela aprovação da reforma da Previdência e não continuar nesse embate improdutivo”, afirmou Maia ao Estado.

“Estou olhando para o futuro, olhando para a vida real das pessoas.” Os discursos de Bolsonaro sempre batem na tecla da necessidade de construção de “um novo Brasil”.


Em entrevista ao Estado, publicada ontem, Maia disse que o governo não tem projeto para o País além da reforma da Previdência e cobrou empenho do Palácio do Planalto para a votação das mudanças na aposentadoria.

“O governo é um deserto de ideias”, declarou o presidente da Câmara. Em telefonema ao ministro da Economia, Paulo Guedes, Maia chegou a ameaçar, na Quinta-feira (21), deixar a articulação política para a reforma por causa dos ataques recebidos nas redes sociais pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente. Depois, calibrou o discurso, mas avisou que o governo não tem base aliada no Congresso e, se não se organizar, perderá a votação da reforma.

Conversa

Após as novas declarações, interlocutores de Maia e de Bolsonaro tentam jogar água na fervura política e marcar uma conversa entre os dois. O deputado, porém, está irredutível e diz que não precisa falar com o presidente. Maia não gostou de ver Bolsonaro repetir, em Santiago, que “alguns” não estão acostumados com a nova forma de fazer política.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

“Os atritos que acontecem no momento mesmo estando calado fora do Brasil acontecem na política lá dentro porque alguns, não são todos, não querem largar a velha política”, disse Bolsonaro durante café da manhã oferecido pela Sociedade de Fomento Fabril do Chile em Santiago. Ele não citou nomes e disse ter recebido o governo em uma crise “ética, moral e econômica”. Também classificou o Brasil como um país “campeão da corrupção”.

“O que é a nova política?”, reagiu o presidente da Câmara, em Brasília. “Eu compreendo que a política é quando o Legislativo e o Executivo governam juntos. Espero que a gente não volte para um passado recente no qual escolhas equivocadas, com má fé, levaram o Brasil à sua maior crise ética dos últimos anos. É isso que é a velha política: é usar o Estado em benefício de poucos. A nova política é a gente transformar o Estado em um instrumento para melhorar a vida das pessoas”, insistiu ele.

Maia participou pela manhã, em Brasília, da convenção nacional do PPS – quando foi aprovada a mudança de nome do partido para Cidadania. Depois, ele almoçou com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), na capital paulista.

“A reforma passa por um ambiente melhor nos Estados e municípios”, disse o presidente da Câmara. “Apoiamos a relevância de Maia como líder na Câmara pela reforma”, devolveu Doria.

Ideologia

No Chile, Bolsonaro disse ainda que escolheu seus ministros com competência e patriotismo e que o Brasil e a América do Sul começam a viver “um descolamento da questão ideológica”, que, segundo ele, sempre falaram “muito alto junto à mídia, universidades e escolas”.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend