Bolsonaro e PT: rixa na economia é recente

Em dez decisões econômicas no Congresso, deputado e partido votaram igual em seis.

Faltando poucos dias para o segundo turno das eleições presidenciais, os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) subiram o tom das críticas mútuas, buscando demarcar as inúmeras divergências.

Uma análise histórica mostra, contudo, que as diferenças não são tão grandes num tema vital: a economia.

Folha selecionou dez votações que mudaram o rumo da política econômica brasileira e comparou o voto de Bolsonaro, que foi deputado federal durante 27 anos, e a orientação do PT à sua bancada no Congresso. Não foi possível contrapor dois partidos porque Bolsonaro mudou de agremiação nove vezes.

Nessa dezena de temas pesquisados —que compreende do Plano Real até a apreciação do cadastro positivo, no ano passado—, Bolsonaro e PT estiveram do mesmo lado seis vezes e ficaram em trincheiras separadas outras quatro.

“O mercado financeiro não fez esse trabalho de comparação e, se fez, prefere se apegar no que diz o Paulo Guedes”, diz Alessandra Ribeiro, sócio e diretora da Tendências Consultoria, em referência ao guru econômico do candidato do PSL.

Em 1994, PT e Bolsonaro fizeram oposição ao presidente Itamar Franco, que tentava estabilizar a moeda e controlar a inflação com o Plano Real.

O deputado votou contra o plano de estabilização da moeda, e o PT instruiu sua bancada a tentar obstruir a votação, pois sabia que não teria número suficiente para derrotar a proposta.

Bolsonaro também votou com o PT e com a esquerda em sua cruzada contra as privatizações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Em 1995, ambos disseram não ao fim do monopólio da exploração do petróleo pela Petrobras e à venda da estatal de telefonia, a Telebras.

Em 1998, o deputado e o partido que hoje ele demoniza também se opuseram à reforma da Previdência de FHC.

Jair Bolsonaro. Foto: Agência Brasil

O tucano tentou introduzir uma idade mínima de aposentadoria no país, não conseguiu por um único voto e acabou criando o fator previdenciário —um método de cálculo do benefício que desestimula a aposentadoria precoce.

Durante a década de 1990 e o início dos anos 2000, Bolsonaro e o PT só discordaram em uma ocasião em temas econômicos relevantes: na votação da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), em 2000, que estabeleceu que o Estado não pode gastar mais do que arrecada. O deputado votou a favor, enquanto o PT foi contra.

“A coincidência nos votos do PT e de Bolsonaro não causa surpresa. A extrema direita, personificada por Bolsonaro, e a esquerda desenvolvimentista, corrente que o PT sempre defendeu, são parecidas na economia. Defendem o Estado forte e interventor”, diz Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos.

Após a chegada do PT ao poder, com a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva, as posições de Jair Bolsonaro e do Partido dos Trabalhadores se distanciaram, mas foi o PT que adotou um viés econômico mais liberal por puro pragmatismo.

Bolsonaro seguiu firme a toada do estatismo e, em especial, na defesa dos benefícios para os servidores públicos.

Em 2003, o PT orientou sua bancada a votar a reforma da Previdência proposta pela equipe econômica do ex-ministro Antonio Palocci, que acabou com a aposentadoria integral para os funcionários públicos em início de carreira.

Bolsonaro foi contra.

Durante as gestões de Lula e Dilma Rousseff, o deputado só votaria a favor de medidas apresentadas pelo governo do PT quando favoreciam servidores ou representavam benesses para setores específicos.

Nesse período, o deputado subscreveu medidas que elevaram os gastos públicos, preferindo se distanciar de propostas de ajuste fiscal.

Bolsonaro votou contra, por exemplo, a prorrogação da CPMF em 2007, imposto que acabaria extinto pelo Senado, representando a maior derrota política de Lula.

Mas votou a favor do aumento do número de setores beneficiados pela desoneração da folha de pagamentos, medida proposta por Dilma em 2012 e ampliada por deputados, que resultou em enorme perda de receita.

Bolsonaro só foi mudar de posição para valer quando Michel Temer assumiu o governo com o impeachment de Dilma, em 2016.

Naquele momento, o deputado coloca em movimento a estratégia de se contrapor aos petistas para além de questões sociais e de costumes —seara em que sempre discordaram— já de olho em sua candidatura presidencial.

Fora do governo, o PT, por sua vez, voltou às raízes desenvolvimentistas.

Bolsonaro votou, em 2016, a favor do teto de gastos, medida que congela as despesas públicas, e, em 2017, aprovou a reforma trabalhista de Temer.

A reforma promoveu mudanças importantes na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), como a limitação da Justiça gratuita.

O PT, como esperado, orientou sua bancada a votar contra nos dois casos.

Mais recentemente, os dois lados voltaram a concordar em apenas um tema: o cadastro positivo, uma espécie de banco de dados de consumidores adimplentes à disposição de birôs de crédito e de instituições financeiras e que, segundo especialistas, pode ajudar a reduzir os juros.

O PT foi contra, e Bolsonaro também.

“Na economia, o PT é uma coisa quando é governo e outra quando está na oposição. Já Bolsonaro nunca foi um liberal. Sua conversão é recente”, diz Juan Jensen, sócio da consultoria 4E.

Para ele, o mercado está dando o benefício da dúvida justamente porque a seu lado está Paulo Guedes, o economista formado na Universidade de Chicago.

Para Ribeiro, da Tendências, não é possível falar nem que é o pouco que se sabe do plano econômico de Guedes que vem fazendo a diferença para o mercado. É a sua orientação liberal que conta.

“O plano que se conhece, no fundo, não para em pé”, diz.

Ribeiro lembra que o programa intenso de privatizações sugerido por Guedes para financiar o período de transição da reforma da Previdência —de um regime de repartição para um regime de contas individuais— e para quitar parte da dívida pública já foi desidratado pelo próprio Bolsonaro.

O viés militar-desenvolvimentista do candidato também fica claro, diz Ribeiro, quando ele fala que o setor de energia é estratégico ou quando diz ter receio de vender ativos aos chineses.

“Ele é um recém-convertido ao liberalismo, e as incongruências aparecem”, diz Ribeiro.

Para Jensen, da 4E, o mercado está dando o benefício da dúvida a Bolsonaro, mas, se o “casamento” com Guedes não der certo, não haverá nenhuma garantia de que ele nomeará um outro ministro liberal.

Segundo o analista, os investidores sabem desse risco, por isso, apesar do bom desempenho, a Bolsa, os juros e o câmbio ainda estão longe do patamar que poderiam alcançar. Além disso, os investimentos na economia real não reagiram.

A Tendências tem a avaliação de que o risco de um cenário mais pessimista se impor é alto: 35%.

Nesse cenário, diz Ribeiro, o nível alto de conflitos dentro da equipe econômica de Bolsonaro levaria Guedes a deixar o governo. Com isso, a reforma mais desejada —a da Previdência— só sairia do papel mais para o fim do mandato.

No cenário mais provável, porém, Guedes abandona o plano “que não para em pé” e abraça a reforma de Temer. É isso que faz com que o chamado mercado prefira o candidato do PSL ao PT no domingo (28).

Send this to a friend