Siga o Jornal de Brasília

Política e Brasil

MST invade fazendas de Blairo Maggi e Ricardo Teixeira

Publicado

em

MST invade fazendas de Blairo Maggi e Ricardo Teixeira

Movimento também ocupou propriedade de Ciro Nogueira em dia de protestos contra a corrupção

O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) ocupou, na manhã desta terça-feira, as fazendas do coronel João Baptista Lima, amigo do presidente Michel Temer, do ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, do ministro da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento, Blairo Maggi, e do senador Ciro Nogueira (PP-PI). Os terrenos são localizados, respectivamente, nos municípios de Duartina (SP), Piraí (RJ), Rondonópolis (MT) e Teresina (PI).

O grupo alega que as manifestações foram realizadas em terrenos ligados a pessoas que têm relação com esquemas de corrupção: “Os latifundiários que possuem estas áreas são acusados, no cumprimento de função pública, de atos de corrupção, como lavagem de dinheiro, favorecimento ilícito, estelionato e outros”.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Em maio deste ano, o coronel Lima foi apontado por delatores da JBS como o responsável por receber R$ 1 milhão de propina paga pela empresa na campanha eleitoral de 2014. De acordo com o diretor Ricardo Saud, Temer recebeu R$ 15 milhões para distribuir a seus aliados. Em 2 de setembro daquele ano, R$ 1 milhão desse total foi entregue “conforme orientação direta e específica de Temer” na empresa Argeplan, em São Paulo, diretamente ao coronel.

Lima já havia aparecido em outra tentativa de acordo com a Justiça. Em 2016, quando José Antunes Sobrinho, um dos sócios da Engevix, tentou fechar sua delação na Lava-Jato, a revista “Época” revelou que a Argeplan e a AGF Consulting tinham ganhado concorrência de R$ 162 milhões para as obras de Angra 3, em 2012. O coronel teria convidado a Engevix, como subcontratada. Sobrinho disse ter se encontrado duas vezes com Temer e o coronel, no escritório do então vice-presidente, em São Paulo, para tratar do assunto. Em seguida, Lima teria cobrado R$ 1 milhão, que seria destinado à campanha de Temer em 2014. O coronel e o ex-presidente negam as acusações.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *