Siga o Jornal de Brasília

Destaque

Lava Jato: Depoimento de Emílio Odebrecht vaza; veja trechos

Brasília de Fato

Publicado

em

Emílio Odebrecht

Caixa dois sempre foi ‘modelo reinante’ no país, diz Emilio Odebrecht

Moro decretou sigilo sobre depoimentos, que vazaram após falha técnica da Justiça Federal

SÃO PAULO — Em depoimento ao juiz Sérgio Moro, Emílio Odebrecht afirmou que pagamentos não-contabilizados sempre fizeram parte do “modelo reinante” no Brasil. Emílio afirmou saber que existia o uso, por Marcelo Odebrecht, do que a defesa do empreiteiro chamou de “recursos não-contabilizados”, que pode incluir o pagamento de caixa dois em campanhas eleitorais. O juiz Sérgio Moro decretou o sigilo dos depoimentos mas os vídeos vazaram em razão de uma falha técnica no sistema de consulta processual da Justiça Federal do Paraná. Em certidão anexada aos autos, a Secretaria da 13ª Vara Federal de Curitiba afirmou que os vídeos permaneceram sem sigilo entre 13h09min59s até 13h11min05s – cerca de dois minutos.

— Sim, sabia que existia uso de recursos não contabilizados. Sempre foi modelo reinante no país e que veio até recentemente. O que houve impedimento a partir de 2014. Até então, sempre existiu. Desde minha época, da época do meu pai e também de Marcelo, sem dúvida nenhuma — afirmou.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼
Leia também:  Imagens mostram vítimas de Jacarezinho com fuzis nas mãos

No depoimento, Emílio Odebrecht disse atuar na empreiteira desde 1990 até chegar à presidência-executiva. Ele deixou o comando diário da empresa em 2002. A partir de então, permaneceu apenas como presidente do Conselho de Administração.

Em relação ao pagamento de caixa dois, o presidente da Odebrecht novamente reafirmou acreditar que a prática sempre existiu.

— Eu desconfio seriamente que sempre houve, porque na minha época existia doação de campanha oficial e não-oficial de recursos não-contabilizados. Não vejo por que isso não continuou mesmo quando eu não estava na liderança.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Segundo Emílio, na sua época, o funcionamento do sistema de pagamento de valores eram muito mais simples, uma vez que a empresa atuava, basicamente, em dois negócios, de engenharia e petroquímica. Emílio Odebrecht afirmou que não saberia dizer se Marcelo Odebrecht era o responsável pela estruturação do esquema de utilização de empresas offshore.

— Não saberia dizer em hipótese nenhuma. Na minha época, as coisas eram muito mais simples. Não tinha a complexidade que a organização passou a ter a partir de determinado período. Não saberia dizer se ele teve algum envolvimento, se liderou aquilo que chamam erradamente como departamento de propina — afirmou.

Leia também:  Bolsonaro diz que cortou dinheiro do MST: “Propriedade privada é sagrada”

“EXISTEM MUITOS APELIDOS NA ORGANIZAÇÃO”

Emílio Odebrecht disse que não sabe dizer se o “italiano” citado nas planilhas da empresa é o ex-ministro Antonio Palocci. Afirmou que existiam várias pessoas dentro da empresa, “companheiros internos”, que muitas vezes ele chamava de “italiano”.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

— Existem muitos apelidos na organização, eu seria leviano, irresponsável. Ele (italiano) pode ser também nosso Palocci. (…) Não sei dizer se efetivamente era o doutor Palocci, mas com certeza ele também era identificado como “italiano” — disse.

Emílio disse que com certeza os executivos da empresa dialogavam com o governo em busca de soluções para os problemas do país e levavam questões de interesse da empresa.

— Seria irreal um empresário ter encontro como autoridade e não levar os problemas que ele tem como empresário – afirmou, acrescentando, porém, que não saberia dizer se os executivos levavam soluções prontas.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼
Leia também:  Prouni: começa entrega de documentos para bolsas remanescentes

O empresário disse que sabia que existia valores destinados pela Odebrecht ao PT, mas que não saberia dizer valores, e que estava afastado do comando da empresa desde o início dos anos 2000.

Perguntado pelo juiz Sérgio Moro se tinha ou não conhecimento se Palocci ou o PT receberam pagamentos do departamento de operações estruturadas da empresa, afirmou.

— Teve contribuição, não tenho dúvida. Pode ser que ele foi um dos operadores, um dos que receberam, mas o detalhe disso eu não saberia. Existia a regra: ou não contribuía para ninguém ou contribuiria para todos, mas valor e forma, não tenho esse domínio.

Emílio Odebrecht disse que não existia um departamento de propina, mas um “responsável por operacionalizar recursos não contabilizados”.

— Não existiu nada disso formalizado, existiu um responsável por operacionalizar recursos não contabilizados – afirmou.

Agência O Globo

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *