Siga o Jornal de Brasília

Política e Brasil

Ocorrências ‘despencaram’ com Exército nas ruas, diz governo do ES

Publicado

em

Secretário e governador deram entrevista sobre situação da segurança. Pelo 5º dia, protestos de familiares de PMs impedem policiamento das ruas.

O secretário de Segurança Pública do Espírito Santo, André Garcia, afirmou nesta quarta-feira (8) que, desde que as Forças Armadas passaram a patrulhar as ruas, “as ocorrências despencaram”. Nenhum número oficial foi divulgado.

Pelo 5º dia seguido, o estado vive uma onda de violência causada pela falta de policiamento. Familiares de PMs pedem reajuste salarial e protestam impedindo a saída dos militares dos batalhões. O sindicato dos policiais já registrou 87 mortes violentas.

Em entrevista à imprensa, André Garcia afirmou que todos os municípios da região metropolitana de Vitória estão atendidos pela Força Nacional. Agora, será reforçado o policiamento em cidades do interior, como Guarapari.

O governador em exercício do Espírito Santo, César Colnago, afirmou que há pelo menos 500 policiais militares na rua, apesar da paralisação, e que vai fazer “tudo o que for preciso” para recolocar todo o efetivo na rua.

Negociações

O governo argumenta que está “no limite” para dar reajuste salarial, dentro da Lei de Reajuste Fiscal, e que não deixou de dialogar com os servidores e as mulheres dos PMs, mas espera que a lei seja cumprida.

Colnago disse que, diferente de outros estados, “os servidores do Espírito Santo estão recebendo em dia”. “Nós não somos um governo populista, que promete as coisas e não tem como cumprir. Não vamos ser irresponsáveis.”

“Pedimos bom senso e razoabilidade, e não podemos colocar a população nessa situação”, disse Colnago. Segundo ele, o governo só vai discutir reajuste quando tiver condições financeiras.

O governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (PSDB), afirmou que algumas lideranças estão aplicando o “método da chantagem”. Ele disse ainda que a Lei de Responsabilidade Fiscal precisa ser cumprida e que “vai chegar uma hora que essa crise vai passar”.

Questionado se os PMs parados serão exonerados, o governador em exercício afirmou que todos serão submetidos ao que diz a lei, “no momento certo”.

O secretário de Segurança disse que o ES está vivendo situações nunca vividas antes. Ele lembra que a PM não pode fazer greve. “Esse movimento tem envergonhado o Espírito Santo. Todas essas ocorrências, todas essas mortes, está na conta deles.”

Sem acordo

A reunião entre mulheres de PMs, associações dos militares e deputados estaduais e a senadora Rose de Freitas (PMDB), que ocorreu nesta terça-feira (7) na Assembleia Legislativa do Espírito Santo, terminou sem acordo.

Esposa de policial, a manifestante Thamires da Silva disse que espera negociar com o governo. “Queremos antecipar o diálogo o quanto antes. Nossa pauta pede o reajuste de 43% referentes aos últimos três anos em que isso não aconteceu, além da anistia dos PMs, para que eles não sofram retaliações. Só após essas duas exigências serem aceitas, poderemos negociar a saída dos policiais.”

Os manifestantes esperam uma conversa com o governo nesta quarta, mas ela não foi confirmada pelo governo.

Retorno do governador

No início da entrevista, o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (PSDB), falou sobre seu estado de saúde. Ele tratou um tumor na bexiga no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, e voltou ao estado nesta quarta-feira (8). Hartung afirmou que seu tratamento foi bem-sucedido e que voltará ao hospital em dois meses para acompanhamento.

A recomendação médica é que o governador volte ao trabalho na próxima semana, mas ele afirmou que, com alguma limitação, já está ajudando “desde ontem”.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta