HomeNotíciasEconomiaApós frango, União Europeia suspende importação de pescado do Brasil

Após frango, União Europeia suspende importação de pescado do Brasil

Venda de pescado para o bloco já estava suspensa desde dezembro por iniciativa do governo brasileiro; bloco alega falhas na fiscalização sanitária de embarcações pesqueiras União Europeia acaba de suspender a importação de pescado de todas as empresas brasileiras que comercializavam com o bloco. A […]
Após frango, União Europeia suspende importação de pescado do Brasil
Após frango, União Europeia suspende importação de pescado do Brasil

Após frango, União Europeia suspende importação de pescado do Brasil

Venda de pescado para o bloco já estava suspensa desde dezembro por iniciativa do governo brasileiro; bloco alega falhas na fiscalização sanitária de embarcações pesqueiras

União Europeia acaba de suspender a importação de pescado de todas as empresas brasileiras que comercializavam com o bloco. A proibição ocorre um mês após o embargo à carne de frango de 20 fábricas do país, 12 delas da BRF.

Em comunicado, o bloco informou ao Ministério da Agricultura que está “deslistando todos os estabelecimentos pesqueiros e navios brasileiros que ainda são elegíveis para exportar produtos de pesca para a UE”. A importação de peixes criados em cativeiro, de empresas de aquicultura, ainda não foi embargada.

A exportação de pescado do Brasil para a UE já estava suspensa por iniciativa do governo brasileiro desde dezembro, quando o bloco sinalizou que a fiscalização sanitária das embarcações de pesca do país não estava em conformidade com as políticas europeias.

O Ministério da Agricultura chegou a apresentar um plano para se adequar às exigências da União Europeia, mas o bloco alega que as respostas das autoridades brasileiras foram “insatisfatórias para a maioria das recomendações”.

Para a Associação Brasileira das Indústrias de Pescados (Abipesca), o anúncio é uma “morte que já estava anunciada”.

“Trata-se de um ataque comercial da UE mascarado por questões técnicas. Eles alegam que o Brasil não tem fiscalização sanitária nas embarcações [pesqueiras], mas isso é um detalhe técnico que não compromete a segurança e a inocuidade dos alimentos”, diz Christiano Lobo, diretor de relações governamentais da associação.

Ele critica a postura do Ministério da Agricultura nas negociações com o bloco e diz que uma série de soluções propostas pelo próprio setor foi negligenciada.

De acordo com números do Ministério da Agricultura, o Brasil exportou no ano passado 40,8 mil toneladas de pescado, 6,7 delas para a União Europeia (ou 16%). Em valores, foram vendidos no exterior US$ 246 milhões, US$ 24,4 milhões para UE (ou 10%).

Os números são pequenos comparados à exportação de carne e carne de frango. Em 2017, segundo o ministério, o Brasil exportou 6,7 milhões de toneladas de carne, 481 mil toneladas para a UE. Em valores, foram US$ 15,4 bilhões, US$ 1,6 bilhão para o bloco. De carne frango, foram vendidas para outros países 4,3 milhões de toneladas, 323 mil para a UE. Em valores, foram US$ 7,1 bilhões, US$ 774 milhões para o bloco.

Já segundo dados da própria Abipesca, o Brasil exporta cerca de U$ 270 milhões em peixes por ano. Desse total, aproximadamente US$ 40 milhões são enviados à União Europeia (ou 14%). O principal produto exportado em quantidade é o atum e em valores, a lagosta.

Já as importações de pescado somam US$ 1,2 bilhão por ano. O mercado brasileiro de peixes movimenta R$ 20 bilhões por ano, ainda segundo a associação.

Send this to a friend