Siga o Jornal de Brasília

Internacional

Assange disposto a se entregar se Londres não o extraditar aos EUA

Publicado

em

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, asilado na Embaixada do Equador em Londres desde 2012, estaria disposto a se entregar à justiça do Reino Unido, se receber a garantia de que não será extraditado para os Estados Unidos, informou nesta sexta-feira um de seus advogados.

“Ele poderia enfrentar esta situação, é claro que poderia. Mas o que sua equipe jurídica pede é garantias de que depois dessa condenação não seja extraditado para os Estados Unidos”, afirmou o equatoriano Carlos Poveda, um dos advogados de Assange, para o canal Ecuavisa.

A justiça britânica mantém um mandado de prisão contra Assange por violar as regras de sua liberdade condicional quando foi acusado de supostos crimes sexuais cometidos na Suécia.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Embora as acusações suecas tenham prescrito, o criador do WikiLeaks teme que se deixar a embaixada possa ser extraditado para os Estados Unidos por vazar milhares de segredos oficiais através do seu site.

“Na justiça britânica, ele (Assange) pode até ser condenado de três a seis meses de prisão”, disse Poveda.

Ele acrescentou que a garantia de que não será entregue aos Estados Unidos é a “condição extremamente importante” para o australiano de 47 anos se submeter à justiça britânica.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Na quinta-feira, o procurador-geral do Equador, Íñigo Salvador, disse a repórteres que Quito evocou duas alternativas para resolver o caso Assange: que se entregue à justiça ou permaneça na embaixada sob as regras para visitas, comunicações e salubridade.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *