Díaz-Canel assegura continuidade à revolução dos Castro em Cuba

Cuba iniciou uma nova era em seis décadas de revolução: o general Raúl Castro (86 anos) transmitiu a Presidência a Miguel Díaz-Canel, um civil quase 30 anos mais novo comprometido a dar continuidade ao legado de seus antecessores e a reformar o modelo econômico socialista.

Em seu primeiro discurso como presidente na Assembleia Nacional, assegurou que Cuba continuará sendo “verde oliva”, e que terá em Raúl um guia, em um sinal para a ala dura revolucionária de militares históricos, mais resistente em sacrificar o legado socialista sob o pretexto das reformas.

“O mandato concedido pelo povo a esta legislatura é dar continuidade à revolução cubana em um momento histórico crucial, que será marcado por tudo que devemos avançar na atualização do modelo econômico”, disse após saber do resultado da votação no Parlamento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Para o novo presidente, seu antecessor, Raúl Castro, que permanece como líder do governante Partido Comunista (PCC, único) até 2021, “comandará as decisões de maior transcendência”.

A mudança de comando foi simples, sem pompas, mas muito aplaudida. Após levar o braço esquerdo de seu sucessor, Raúl Castro deixou sua cadeira à mesa principal do Palácio das Convenções de Havana, que foi imediatamente ocupada por Díaz-Canel. Ao lado permaneceu a cadeira vazia de Fidel Castro, falecido em 2016.

Com ele foram eleitos também os demais membros do Conselho de Estado: o primeiro vice-presidente – o sindicalista afro-cubano Salvador Valdés, de 72 anos -, cinco vice-presidentes, um secretário e 23 membros. Os novos ministros serão conhecidos em meados no ano.

A nomeação de Díaz-Canel foi saudada por seus aliados da China, Xi Jinping; Rússia, Vladimir Putin; Venezuela, Nicolás Maduro, e Bolívia, Evo Morales. Mas também por México, Panamá, Espanha e Reino Unido. Já os Estados Unidos, um inimigo durante a guerra fria, criticaram o processo.

“Os cidadãos cubanos não tinham poder real para afetar o resultado deste processo de transição não democrático”, indicou a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert. “Exortamos o novo presidente a escutar e responder às demandas dos cidadãos cubanos de uma Cuba mais próspera, livre e democrática”,

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

– ‘Sobrevivente’ ao treinamento –

No encerramento, Raúl Castro deixou claro que a eleição de seu sucessor “não por acaso, foi prevista. Dentro de um conjunto, o melhor, segundo nossa modesta opinião e do partido, foi o companheiro Díaz-Canel”, assinalou.

O general recordou que o partido preparou “uma dúzia de jovens, em sua maioria, dos quais chegaram ao birô político, mas não conseguimos materializar sua preparação”. Díaz-Canel “foi o único sobrevivente desse grupo”.

O novo presidente, que completa 58 anos na sexta-feira, terá que manter o equilíbrio entre a reforma e o respeito aos princípios revolucionários, mas deverá se esforçar para atualizar o modelo econômico, um projeto iniciado por Raúl.

A nível diplomático, lidará com uma intensificação do bloqueio que os Estados Unidos aplicam desde 1962. Este endureceu com a chegada de Donald Trump ao poder, que voltou atrás na aproximação do fim de 2014.

Para Díaz-Canel, com a continuidade da revolução, “será como enfrentaremos as ameaças do poderoso vizinho imperialista. Aqui não há espaço para uma transição que desconheça ou destrua o legado de tantos anos de luta”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


No plano econômico, a tarefa mais urgente é a unificação das duas moedas nacionais que circulam no mercado, além da eliminação das taxas de câmbio preferenciais para empresas estatais – que são a maioria na ilha -, situação que gera distorções em uma economia. O tema “continua sendo uma dor de cabeça”, nas palavras de Raúl.

– Sucessor no Partido-

Primeiro vice-presidente desde 2013, esse engenheiro eletrônico grisalho e amante dos Beatles subiu discretamente na linha de comando, respeitando os caminhos estabelecidos dentro do PCC.

E será que irá presidi-lo em 2021, ano em que Raúl deixará a liderança do partido para ser mais um “soldado”. “Quanto eu faltar (Díaz-Canel) poderá assumir o cargo de primeiro secretário” do partido, acrescentou.

“Aos que, por ignorância ou má fé, duvidam do compromisso das gerações que hoje assumem novas responsabilidades neste Estado cubano, temos o dever de dizer a eles com clareza que a revolução segue e seguirá viva”, enfatizou o novo presidente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Embora Díaz-Canel tenha sido eleito para um mandato de cinco anos, Raúl previu que ele ficará por dois quinquênios. Desta forma, em 2021 a liderança do país e do partido do governo voltarão a ficar com uma só pessoa, como ocorreu com os dois irmãos Fidel e Raúl Castro.

Lembrado por ser um dirigente que usava short e andava de bicicleta, soube construir uma imagem mais moderna e leve, advogado pelo desenvolvimento da Internet e de uma imprensa mais crítica. Entretanto, tem sido severo contra os opositores, ou os diplomatas propensos a criticar publicamente o governo.

Será o primeiro líder cubano nascido depois da revolução de 1959 e terá que forjar uma legitimidade que foi natural nos Castro.

Raúl sucedeu seu irmão Fidel no poder em 2006, quando ficou doente e que acabou morrendo posteriormente, em 2016. Iniciou uma série de reformas impensáveis para sua economia de modelo soviético, como a abertura para investimentos estrangeiros e a geração de negócios próprios, ao mesmo tempo que fazia uma aproximação histórica com os Estados Unidos, seu inimigo da Guerra Fria.

Mas, segundo analistas, as mudanças foram tímidas e não conseguiram reativar uma economia altamente dependente das importações e sua aliada, Venezuela, mergulhou em uma crise. Díaz-Canel insistiu no slogan de “mudar tudo o que tem que ser mudado”.

“O modelo de governo dos Castro provavelmente passará por uma transição geracional e talvez adote um estilo de liderança mais institucional e burocrática do que a carismática e pessoal que Fidel estabeleceu e Raul reformulou”, considerou Jorge Duany, diretor do Instituto Cubano de Pesquisa da Universidade da Flórida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Send this to a friend