Siga o Jornal de Brasília

Internacional

Príncipe herdeiro saudita adverte Irã antes de visita a Trump

Publicado

em

Antes de sua primeira visita a seu aliado Donald Trump, o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman advertiu nesta quinta-feira o Irã, inimigo comum do reino sunita e dos Estados Unidos.

“A Arábia Saudita não quer uma arma nuclear, mas se o Irã desenvolver uma bomba nuclear, seguiremos o mesmo caminho o mais rápido possível, sem sombra de dúvida”, disse ele em uma entrevista ao canal de televisão americano CBS.

O alerta vem num momento em que a Arábia Saudita, que deseja acabar com sua dependência do petróleo, acelera seu programa nuclear civil, alimentando temores de uma proliferação no Oriente Médio.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

O homem forte de Riad, de 32 anos, que quer apresentar um rosto de modernidade em um país que aplica uma versão rigorosa do Islã, é esperado entre segunda e quinta-feira em Washington para sua primeira visita aos Estados Unidos desde que foi nomeado príncipe herdeiro em junho pelo seu pai, o rei Salman. Na terça-feira se reunirá com Donald Trump.

Desde sua chegada à Casa Branca no início de 2017, o presidente americano reforçou a aliança com Riad, para onde viajou em maio para sua primeira viagem oficial ao exterior.

Ele não parece ouvir as críticas aos expurgos realizados pelo rei e seu filho em nome da luta contra a corrupção, o papel saudita na guerra no Iêmen, a interferência na política libanesa ou a crise desencadeada em junho com o Catar, outro parceiro próximo de Washington.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Isso porque um inimigo comum no Oriente Médio aproxima os líderes dos dois países: o Irã xiita.

Donald Trump ameaça deixar o acordo alcançado em 2015 com Teerã para evitar que adquira a arma atômica, argumentando o texto, também assinado pela China, Rússia, França, Reino Unido e A Alemanha, não é suficientemente rigoroso e ignora o programa balístico iraniano e o papel “desestabilizar” do Irã na região.

– Khamenei comparado a Hitler –

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Ele deu a seus aliados europeus e ao Congresso americano até meados de maio para encontrar soluções para remediar os “defeitos” do acordo, caso contrário promete “rasgá-lo”. As negociações continuam a um ritmo acelerado entre os europeus e os americanos.

“Onde quer que vamos no Oriente Médio, é Irã, Irã, Irã. Todos os problemas têm apenas um nome, o Irã”, declarou recentemente Donald Trump, resumindo suas preocupações.

Preocupações compartilhadas por Mohammed bin Salman na CBS. O príncipe traçou um paralelo entre as ambições territoriais atribuídas ao líder supremo iraniano Ali Khamenei e as de Adolf Hitler durante o nazismo.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Para o príncipe, Ali Khamenei quer “criar seu próprio projeto no Oriente Médio, assim como Hitler queria se expandir em seu tempo. Muitos países do mundo e na Europa não perceberam o quão perigoso era Hitler antes de acontecer o que aconteceu. Não quero que o mesmo aconteça no Oriente Médio”, ele insistiu.

Outro aliado muito próximo dos Estados Unidos na região, Israel, insiste nas mesmas advertências. Seu primeiro-ministro Benjamin Netanyahu se apresentou no início de março como o “aliado indispensável” dos países árabes que se opõem a Teerã.

A Casa Branca, que prepara um misterioso plano de paz entre Israel e os palestinos sob a liderança do conselheiro e genro de Donald Trump Jared Kushner, conta com uma aproximação entre israelenses e sauditas para redesenhar os equilíbrios regionais.

Dentro da administração Trump, o agora ex-secretário de Estado Rex Tillerson era um dos poucos a relativizar o apoio a Riad, citando “alguma preocupação” após os expurgos sem precedentes em nome da luta corrupção, ou na disputa com o Catar. Mas foi demitido na terça-feira.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta