Siga o Jornal de Brasília

Internacional

EUA ameaça ‘guerra’ contra Pyongyang;China e Rússia criticam

Publicado

em

ONU impõe novas sanções à Coreia do Norte por testes nucleares

NOVA YORK E PEQUIM– A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Nikki Haley, afirmou durante a reunião do Conselho de Segurança na noite desta quarta-feira (29) que o “mundo está próximo” de uma guerra por conta do último lançamento de míssil da Coreia do Norte.

“E, se houver uma guerra, o regime norte-coreano será completamente destruído”, disse Haley acrescentando, no entanto, que seu país não busca por esse conflito.

A resposta da China e da Rússia veio rapidamente e ambos descartaram a deflagração de um combate com o governo de Pyongyang. O porta-voz do Ministério de Defesa, Wu Qian, disse que há uma “profunda preocupação” pelo último lançamento de um míssil balístico intercontinental, ocorrido na terça-feira (28), mas a “opção militar não é uma opção”.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“A China quer a paz e a estabilidade na península coreana”, acrescentou o representante.

Já o ministro russo para as Relações Exteriores, Serghei Lavrov, disse que as falas e as ações dos Estados Unidos são “intencionalmente provocatórias” e que a via das sanções econômicas “já foi esgotada”.

“Os passos recentes de Washington parecem deliberados e diretos para provocar Pyongyang e fazê-la tomar ações. Agora, os norte-americanos declararam que em dezembro farão exercícios militares maciços, extraordinários. A impressão é que tudo está sendo feito para fazer Kim Jong-un perder a calma e levá-lo a uma ação perigosa”, destacou Lavrov à agência russa Tass.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“Os norte-americanos precisam explicar a todos o que eles querem obter com isso. Se querem encontrar um pretexto para destruir a Coreia do Norte, então que falem nas reuniões e que confirmem as autoridades supremas dos EUA. Então, nós tomaremos a decisão certa sobre como agir”, acrescentou.

No entanto, após a reunião na ONU, o Conselho de Segurança emitiu um comunicado em que diz que a Coreia do Norte precisa “respeitar as resoluções e adotar medidas para reduzir a escalada” do desenvolvimento das armas.

ANSA

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *