Siga o Jornal de Brasília

Internacional

Bombardeio do regime sírio mata quatro crianças em cidade sitiada

Avatar

Publicado

em

Um bombardeio do regime sírio matou ao menos quatro crianças e um homem em uma cidade sitiada da região de Ghuta Oriental, leste de Damasco, informou nesta terça-feira o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

No mesmo dia, o regime bombardeou outras localidades da região rebelde. Mas o ataque na cidade de Yisrin gerou imagens particularmente duras.

Um fotógrafo da AFP viu os corpos de ao menos quatro crianças, entre as carteiras escolares e um pequeno sapato coberto de sangue.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“Um morteiro disparado pelas tropas do regime atingiu a entrada de uma escola na cidade de Yisrin no momento em que as crianças saíam do centro, matando quatro estudantes”, informou à AFP Rami Abdel Rahman, diretor do OSDH.

Uma fonte médica do hospital de Yisrin confirmou à AFP este balanço, indicando que 25 pessoas ficaram feridas.

No hospital, algumas crianças com ferimentos na cabeça e pernas, aguardavam sentadas, perplexas e assustadas. Entre elas, um menino que teve as pernas seccionadas e outro que chorava de dor.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“Eu estava saindo do colégio quando o morteiro caiu. Tinha mortos e feridos”, relatou à AFP uma criança ferida.

Ghuta Oriental é um dos últimos redutos da rebelião síria que combate o regime de Bashar Al-Assad há seis anos.

Em 22 de julho, a Rússia, aliada de Damasco, anunciou uma trégua com os grupos rebeldes “moderados” nesta região, onde foi criada uma “zona de distensão”.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Mas há uma semana esta zona vive uma escalada da violência, com muitos bombardeios do regime.

Os ataques aéreos também atingiram a localidade de Mesraba, mais ao norte, matando três civis, incluindo uma criança, segundo o OSDH.

No domingo, onze civis morreram na região, entre eles um jornalista local que trabalhava para uma rede opositora.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Mais de 400.000 pessoas vivem em Ghuta Oriental, onde a ajuda humanitária chega a conta gotas em razão do cerco do exército.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *