Siga o Jornal de Brasília

Internacional

Venezuela tem golpe de Estado em etapas, diz deputado opositor

Avatar

Publicado

em

Fora do país para denunciar escalada antidemocrática, Luis Florido afirma que não há mais separação de Poderes após decisões do Supremo

 

RIO – Fora do país para denunciar a situação democrática da Venezuela à OEA, o deputado opositor Luis Florido, que pediu proteção ao organismo interamericano, diz não haver mais separação de Poderes no país. Em entrevista ao GLOBO, ele reiterou seu pedido pela mobilização de civis e das Forças Armadas.

A separação dos Poderes na Venezuela chega ao fim com a ação do Tribunal Supremo de Justiça?

Há algum tempo não há essa separação de Poderes na Venezuela. Já havia vários sintomas por parte do Tribunal Supremo. Mais que sintomas: 53 sentenças contra a Assembleia Nacional (AN), que agora são 55 com essas duas últimas. E mais uma série de sentenças que afetam unilateralmente as decisões da AN.

A oposição fala em golpe, outros citam uma ruptura constitucional. Como o senhor define este momento?

Acredito que se perpetrou um golpe de Estado, como tal, um golpe aberto. Assim se vê na comunidade internacional, no mundo e na Venezuela. Estamos na presença do que se denomina um golpe de Estado continuado, ou seja, que foi feito em etapas, e teve sua maior expressão com essa sentença.

A procuradora-geral, próxima ao chavismo, surpreendeu e criticou a sentença do Supremo

A Procuradoria tomou hoje uma atitude de caráter republicano, de defesa da democracia. A reação da procuradora-geral da República é um resgate da necessidade republicana de sustentar a democracia no nosso país. Aplaudimos a valentia da procuradora.

A MUD (coalizão opositora) previa uma reação como a adotada pelo Tribunal?

Bem, nesses níveis não era previsível. É um autogolpe. E os únicos que perdem neste momento são a democracia venezuelana e o próprio governo, que acaba legitimando o informe de Luis Almagro (secretário-geral da OEA) e a convocação do Conselho Permanente da OEA. É uma forma de mostrar, sem nenhum pudor, que a Venezuela está vivendo uma ditadura.

Quais são os próximos passos da MUD?

Primeiro, entramos com uma ação junto à Procuradoria-Geral, acusando os magistrados da Sala Constitucional, por quebra da ordem constitucional. Por outro lado, vamos mobilizar as ruas. Amanhã (hoje), toda a Venezuela será mobilizada, todos os estados.

A oposição apelou aos militares para romperem o silêncio. Poderia haver algum tipo de intervenção do Exército neste momento?

As Forças Armadas têm a responsabilidade de atuar num momento como este, para deter a ação de uma ditadura. As Forças Armadas são garantidoras da Constituição e devem ser firmes diante de sua violação. Creio que, internamente, devem estar fazendo movimentos importantes, porque sabemos que ninguém está disposto a permitir que se acabe totalmente com a ordem na Venezuela. Tudo o que vem acontecendo é o que está agravando a pobreza e a situação que vivemos hoje. Vivemos um momento de ruptura, e este momento de ruptura requer reações de civilidade por parte dos deputados, dos venezuelanos e das Forças Armadas.

Como a comunidade internacional deve agir diante desse cenário?

Todos os organismos internacionais, desde a OEA, o Mercosul e a Unasul, até a União Europeia e a ONU reagiram contra essa situação. Haverá uma nova convocação do Conselho Permanente da OEA nos próximos dias, e a ONU convocou uma reunião. Podíamos estar diante da possibilidade de não só se aplicar o Artigo 20 da Carta Democrática, mas inclusive o 21 (quando há a ruptura da ordem democrática), pela gravidade do que aconteceu na Venezuela.

O senhor tem planos de voltar à Venezuela? Teme ser preso?

Volto a Caracas na próxima quinta-feira, de Bogotá. A menos que o Conselho Permanente da OEA seja novamente convocado, pois teria que retornar a Washington. Sentir medo em momentos como este é perfeitamente normal, ainda mais quando entendemos que a ação da violência legal e ilegal aponta contra nós. Particularmente contra mim e contra todos os deputados. Mas, em momentos como este, também aprendemos a transformar o medo em coragem, coragem que nos dá força para seguir adiante. E a força fortalece nossa fé no futuro.

Agência O Globo

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *