Siga o Jornal de Brasília

Internacional

Mais de 300 mil migrantes atravessaram o Mediterrâneo em 2016

Avatar

Publicado

em

O número de mortos é 15% inferior ao do total de 2015. De acordo com o Acnur, 3.211 pessoas morreram ou são consideradas desaparecidas no Mediterrâneo desde janeiro

France Presse

Genebra, Suíça – Mais de 300 mil migrantes e refugiados cruzaram o Mediterrâneo para viajar a Europa desde o início de 2016, que pode ser o ano mais letal caso o número de vítimas de naufrágios prossiga ao ritmo atual, afirmou nesta terça-feira o Acnur.

“O número de refugiados e migrantes que chegaram às costas europeias superou hoje a barreira dos 300 mil”, declarou William Spindler, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) em Genebra. O número é consideravelmente inferior ao registrado durante os nove primeiros meses de 2015 (520 mil), mas é superior ao do conjunto de 2014 (216.054).

O número de mortos é 15% inferior ao do total de 2015. De acordo com o Acnur, 3.211 pessoas morreram ou são consideradas desaparecidas no Mediterrâneo desde janeiro. “Neste ritmo, 2016 será o ano mais letal para o mar Mediterrâneo”, disse Spindler. Quase todos os migrantes e refugiados que atravessam o Mediterrâneo tentam chegar a Grécia ou Itália. O Acnur indica que 48% dos migrantes que chegam a Grécia são sírios, 25% afegão, 15% iraquianos, 4% paquistaneses e 3% iranianos.

Na Itália, 20% dos que chegam pelo mar são da Nigéria, 12% da Eritreia e outros 7% de Gâmbia, mesmo percentual para Guiné, Sudão e Costa do Marfim. O acordo concluído em março entre a União Europeia e a Turquia provocou a redução do número de chegadas às ilhas gregas do Egeu próximas à costa turca. Em 2015, milhares de pessoas em fuga de conflitos chegavam diariamente a estas ilhas, sobretudo procedentes da Síria. Ao mesmo tempo, dos 160 mil demandantes de asilo que chegaram a Grécia e Itália que os países da UE aceitaram receber no ano passado, menos de 5.000 foram realocados, criticou o Acnur.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *