Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

Começa processo para aprimorar assistência social

Publicado

em

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Começou nesta quinta-feira (16) o processo democrático para aprimoramento da política de assistência social do Distrito Federal, com a realização da primeira de sete conferências regionais preparatórias para a XIV Conferência Distrital de Assistência Social, marcada para o dia 21 de outubro.

Nesses encontros serão apresentadas e debatidas propostas para a política e eleitos delegados(as) que vão representar os participantes no debate distrital e nacional, previsto para dezembro. Nesta primeira conferência, 230 pessoas, entre usuários, servidores e trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social (Suas) dessas regiões, se inscreveram para contribuir para o fortalecimento da política pública.

A primeira Conferência Regional de Assistência Social Região Central e Centro-Sul teve como foco ouvir as propostas de usuários e trabalhadores de entidades e unidades socioassistenciais das regiões administrativas do Plano Piloto, Cruzeiro, Sudoeste/Octogonal, Lago Sul, Lago Norte, Varjão, SIA, SCIA-Estrutural, Núcleo Bandeirante, Park Way, Guará e Candangolândia.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“As conferências são um momento de avaliarmos o que está sendo feito na política de assistência social e pensarmos, conjuntamente, em um processo de aprimoramento dos nossos serviços, programas, ações e benefícios. Precisamos pensar, dialogar e construir propostas para que tenhamos um Suas mais eficiente para quem dele necessita, mais atuante no Distrito Federal”, ressaltou a presidente do Conselho de Assistência Social do DF (CAS-DF), Kariny Alves, durante a abertura do evento.

Leia também:  Parceria nas ações de saúde no socioeducativo

Segundo a gestora, também subsecretária de Assistência Social da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), um dos pontos de destaque das conferências será o reconhecimento do trabalho desenvolvido pelos profissionais da assistência social para manter o suporte às famílias em risco social e ampliar a capacidade de atendimento, tendo em vista que houve um aumento expressivo do número de pessoas que perderam a renda e passaram a depender do Estado por causa da pandemia da covid-19.

“O CAS-DF reconhece o trabalho feito neste período de pandemia pelos profissionais do Suas, tanto da Sedes quanto da rede parceira, as Organizações da Sociedade Civil. Foi um trabalho essencial. Nós estávamos vivenciando incertezas, houve um agravamento da situação de vulnerabilidade de muitas famílias, de muitas perdas e os trabalhadores responderam a isso, se colocaram não linha de frente”, reforça Kariny Alves.

Leia também:  Exposição Alquimia Na Dança entra em cartaz no Jardim Botânico de Brasília

Na abertura do processo conferencial, ao fazer um balanço das ações da Sedes durante a pandemia, a secretária adjunta de Desenvolvimento Social, Ana Paula Marra, destacou a contratação de mais de 500 novos servidores para área social neste último ano, incluindo os nomeados que foram também para a Secretaria de Justiça (Sejus) e a Secretária da Mulher, além da criação do Programa Cartão Prato Cheio, que garante alimentação de quase 40 mil famílias em situação de insegurança alimentar e nutricional.

Ana Marra destacou ainda que a atual gestão conseguiu tirar do papel e implementou deliberações de conferências anteriores. “É com muita alegria que digo que o DF implementou a primeira República LGBTQI+ do país, uma reivindicação antiga e já apresentada em outros processos conferenciais. Também conseguimos abrir o Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) em São Sebastião. Tudo isso só mostra o comprometimento desse governo com a área social”, afirma.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Agência Brasília

Leia também:  Pdaf libera mais R$ 2,3 milhões para escolas do DF

Continue lendo
Publicidade