Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

‘Rota Brasília Capital do Rock’ inaugura placa na Colina

Publicado

em

O guitarrista Philippe Seabra vai apresentar os hinos de Legião Urbana, Plebe Rude e Capital Inicial, em uma breve homenagem à origem do rock brasiliense que conquistou o Brasil nos anos 1980. O show está programado para esta quinta-feira (12), no Bloco A da Colina, na Universidade de Brasília (UnB). Lá, com atividades que começam às 10h30, será inaugurada a placa da Colina, que integra a Rota Brasília Capital do Rock, lançada pela Secretaria de Turismo (Setur).

A Rota Brasília Capital do Rock foi oficializada pelo Decreto nº 42.074 (6/5/2021), assinado pelo governador Ibaneis Rocha. Com isso, moradores do DF e turistas contarão com uma experiência única pelo olhar do estilo musical que consagrou a história da cidade e foi tombado como Patrimônio Cultural Imaterial do DF, pela Lei Distrital nº 5.615.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

A Setur mapeou 40 pontos que fazem parte da história do rock brasiliense, em um trabalho conjunto com a Secretaria de Economia (Seec), Faculdade União Pioneira de Integração Social (Upis), curadoria de Philippe Seabra e produção de Tata Cavalcante.

“Essa rota ressignifica a história do rock de Brasília e faz uma justa homenagem ao movimento musical que fixou a cidade no mapa da música brasileira”, reforça a secretária de Turismo, Vanessa Mendonça. “Vamos fazer também uma homenagem ao Toninho Maia, figura importante nos bastidores da cena roqueira de Brasília e que faleceu recentemente vítima de covid-19”, informa Philippe Seabra, que convidou para o evento a mãe de Renato Russo, Carmem Manfredini, e o pai dos músicos Fê e Flávio Lemos, o professor Briquet de Lemos.

Leia também:  Mais um beco da rota acessível recuperado no Cruzeiro Velho

História da capital

“Agora, o segmento musical do rock como destino turístico será tratado como atração principal e com as luzes que realmente merece”, valoriza a secretária de Turismo. “Considerar esse estilo tão importante para a história da nossa capital sob a perspectiva da consolidação de um destino é uma conquista inédita e de valor estratégico para o desenvolvimento de todos os setores, em especial o do turismo. E só foi possível estruturar um projeto como esse graças à atuação integrada do nosso governo com a iniciativa privada, os acadêmicos e os músicos que carregam no DNA o melhor do rock e de Brasília.”

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Para o vocalista e guitarrista dos Raimundos, Digão, a rota é uma conquista importante, que será uma grande viagem no túnel do tempo para os amantes do rock brasiliense e do Brasil. “Brasília merece demais uma iniciativa como essa”, diz. “Quando tocávamos fora da cidade e até do país, sentíamos um imenso respeito do público e o reconhecimento da nossa cidade como capital do rock! Estamos fortalecendo e sacramentando ainda mais isso.”

Leia também:  GDF já distribuiu 167 mil canetas aplicadoras de insulina

Philippe Seabra explica que o movimento que inspirou toda uma geração não veio ao acaso. “A curiosidade intelectual, lucidez e urgência desses jovens de Brasília colocaram a capital no mapa cultural brasileiro, mudando para sempre a música popular brasileira”, acredita. “Com milhões de discos vendidos, filmes e documentários com milhões de espectadores, teses e doutorados dedicados às letras dessas bandas, o rock de Brasília é um alicerce da contestação e liberdade de expressão no Brasil, e isso tem que ser celebrado”.

O circuito

A Rota Brasília Capital do Rock passa a integrar uma coleção criada pela Setur para ajudar moradores e visitantes a conhecerem melhor os atrativos da capital federal e segue um padrão internacional de sinalização, com informações também em inglês e espanhol, para atender o turista estrangeiro. A coleção conta com as rotas Fora dos Eixos, do Cerrado, da Paz, Cultural, Náutica, Cívica e Arquitetônica. Essas já estão mapeadas e disponíveis no site da Setur.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Quando o público chegar a uma dessas estações, terá a oportunidade de conhecer mais sobre a cultura do DF. Acessando um QR Code, será possível ampliar esse conteúdo no Google Earth, após baixar o aplicativo no celular. As placas, com iconografia padronizada e identificação por uma nota musical, contam a história resumida remetida àquele local.

Leia também:  FAP-DF abre dois novos programas de bolsas

Placas já instaladas na primeira fase do projeto

  • Torre de TV – local onde vários grupos se apresentaram nos anos 1980
  • Upis – local de shows de rock nos anos 1980
  • QI 8 Lago Norte – residência de Philippe Seabra
  • Colina UnB – local onde moravam vários músicos
  • Edifício Rádio Center – local onde as bandas ensaiavam
  • Esplanada dos Ministérios – local dos grandes shows de aniversário da cidade
  • Estádio Nacional Mané Garrincha – local onde já foram realizados vários shows das bandas Legião Urbana e Capital Inicial
  • SQS 303 – residência de Renato Russo
  • Espaço Cultural Renato Russo (antigo Teatro Galpãozinho, na 508 Sul) – local onde já ocorreram várias apresentações musicais
  • Entrequadra 110/111 Sul, no Food’s – onde as bandas subiam em caminhões para tocar
  • Centro de Convenções Ulysses Guimarães
  • Concha Acústica de Brasília – lançamento do LP Rumores, que reunia trabalhos de várias bandas locais
  • Centro Comercial Gilberto Salomão (QI 5, Lago Sul) – local do primeiro show da banda Aborto Elétrico
  • QI 9 do Lago Sul – residência dos Raimundos
  • Ermida Dom Bosco – local onde também foram promovidos shows de rock.

*Com informações da Secretaria de Turismo

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Continue lendo
Publicidade