Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

“Me sinto muito grata”, afirma primeira mulher vacinada no DF

Lídia Rodrigues Marques, 31 anos, é enfermeira e recebeu a primeira dose da Coronavac aplicada na capital federal

Publicado

em

O Distrito Federal, enfim, deu início à vacinação contra covid-19 nesta terça-feira (10). Seis profissionais que estão na linha de frente do combate ao novo coronavírus foram vacinados no Hospital Regional da Asa Norte (Hran) por volta de 10h. A enfermeira Lídia Rodrigues Marques, 31 anos, que trabalha no box de emergência do pronto-socorro do Hran, foi a primeira cidadã do DF a receber o imunizante.

Segundo Lídia, é grande a felicidade de ser a primeira vacinada contra a covid-19 no DF e de ter a certeza que os colegas também receberão a dose do imunizante nos próximos dias. “É uma honra e eu me sinto muito grata em ser a primeira a receber a vacina. Me sinto em família aqui no Hran; é o local que trabalhamos e recebemos apoio tanto da equipe quanto da gerência. É muito bom ser a primeira”, afirmou.

“É seguro e não doeu nada”, disse. “Tenho certeza que a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] e os órgãos competentes estão trabalhando como nós [profissionais de saúde]: com total segurança e cientes do que estão fazendo”, destacou a profissional.

Durante os 9 meses que trabalhou cuidando de pacientes infectados com o novo coronavírus, houve momentos de alegria por ver muitos saindo curados, mas também momentos tristes e difíceis: Lídia e a equipe perderam um colega da linha de frente para a doença e se emocionou ao falar pelo que passou nos últimos meses. No Box de Emergência da unidade de saúde, a enfermeira trabalha na estabilização e intubação de pacientes graves, de onde são transferidos para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Leia também:  Sua Vida Vale Muito: ação chega no Recanto das Emas

“Não foi em vão [a morte do colega]. É muito difícil ver inclusive jovens sendo intubados e chorando, pedindo para ligar para a família” contou emocionada. “É difícil, mas está acabando”, disse se recompondo. “Esses 9 meses foram de muito crescimento para toda a equipe e acredito que todos estarão mais fortes.”

Ela também passou todo o tempo do intenso trabalho longe da família. Diante da nova realidade nunca enfrentada, Lídia preferiu passar os primeiros meses em um dos apartamentos do convênio entre a Secretaria de Saúde e um dos hotéis de Brasília, e depois em um apartamento alugado no Sudoeste. “Foi muito pesado perder um colega de profissão e ficar longe da família. Mas acredito que a gente vai sair dessa mais forte de verdade”, disse.

A profissional de saúde deixa o alerta de que a luta e o combate contra o vírus ainda não terminou. “Os casos estão aumentando muito e precisamos tomar cuidado com essa falsa sensação de que está acabando. É preciso tomar cuidado e proteger os seus. Às vezes um leve deslize pode custar a vida de uma pessoa que você ama. Acho que não vale a pena [dar descrédito à doença agora]. Estamos quase no fim com a vacina e, se Deus quiser, no fim, tudo voltará ao normal”, finalizou esperançosa.

Leia também:  Neoenergia inaugura novo centro no DF

Vacinação

A vacina utilizada pelo Distrito Federal neste primeiro momento é a Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan-SP em parceria com a chinesa Sinovac Biotech. Na segunda (18), chegaram à capital cerca de 106 mil doses do imunizante. Eles foram armazenados e, nesta manhã, sob escolta da Polícia Militar (PMDF), foram levados para algumas unidades de saúde.

Excepcionalmente nesta terça (19), a vacinação começou às 10h. A partir de quarta (20), as doses serão aplicadas de 8h às 18h.

Como ressaltou o subsecretário de Atenção Integral a Saúde, Alexandre Garcia, em coletiva, apenas o primeiro dos quatro grupos prioritários será vacinado já nesta terça. O grupo é composto por:

  • Profissionais do combate à covid das redes pública e privada, que inclui trabalhadores de saúde, vigilância, limpeza, administrativo, atenção primária, Samu e Corpo e Bombeiros em atendimento pré-hospitalar;
  • Pessoas acima de 60 anos que vivem em instituições de longa permanência, como asilos e abrigos;
  • Pessoas com deficiência que vivem em instituições de longa permanência, como asilos e abrigos;
  • Indígenas.
Leia também:  TCDF vai apreciar contas de 2020 nesta terça (19)

Quem não se encaixa no grupo não deve ir aos hospitais neste primeiro momento.

O governador Ibaneis Rocha esteve presente no evento que marcou a primeira aplicação da Coronavac no Distrito Federal. Ibaneis disse à imprensa que espera que as primeiras doses da vacina contra a covid-19 sejam aplicadas em até cinco dias, a contar desta terça-feira (19).

Se a previsão do governador se concretizar, todos os profissionais da linha de frente no combate à covid e idosos que vivem em instituições de longa permanência no DF receberiam a primeira dose até o próximo sábado. Como a Coronavac requer aplicação de duas doses, este grupo de pessoas deve voltar aos hospitais num intervalo de 14 a 28 dias para tomar a dose de reforço.

Ainda considerando a projeção de Ibaneis, caso cheguem mais doses da Coronavac ao DF ou de qualquer outra vacina aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o segundo grupo prioritário poderia começar a ser vacinado em meados de fevereiro. Contudo, não há confirmação de quando o segundo grupo começará a ser imunizado. Ele é composto por idosos de 75 anos ou mais e pessoas entre 60 e 74 anos.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta