Concurso da PCDF é suspenso

Policial Civil
Decisão de suspender o concurso da PCDF foi tomada por causa da pandemia. Ainda não há nova data para a realização das provas

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) cancelou as provas do concurso para os cargos de agente e escrivão, marcadas para os dias 17 e 18 de outubro, respectivamente. A diretora da Escola Superior de PCDF, Gláucia Cristina da Silva, tornou pública a suspensão na última segunda-feira. Ainda não há previsão de novas datas para a realização do certame.

A decisão divulgada pela diretora foi tomada devido ao “substancial quantitativo de candidatos oriundos de outras unidades da Federação inscritos”. Gláucia pontuou que a corporação também levou em consideração o fato de “que a curva epidemiológica da covid-19 ainda demanda cuidados no Distrito Federal.”

No final de agosto foi criada uma petição pública pedindo o adiamento das provas devido ao altíssimo número de casos e óbitos pela covid-19, que já contava com mais de 8 mil assinaturas antes mesmo da divulgação oficial da suspensão. Recentemente, o Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) solicitou a PCDF esclarecimentos sobre a realização das provas do concurso, considerando a pandemia do novo coronavírus.

Na última sexta-feira, a deputada distrital Júlia Lucy (Novo) já havia protocolado uma representação junto ao Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) solicitando a suspensão imediata das provas.

As provas para o cargo de Escrivão de Polícia seriam aplicadas em março, mas foram adiadas devido à pandemia. No entanto, no dia 14 de agosto, o concurso foi retomado e uma nova data foi anunciada.

De acordo com o diretor-geral da PCDF, delegado Robson Cândido, o concurso possui abrangência nacional, com candidatos de quase todas as unidades da Federação inscritos no concurso. “Por conta disso, em conversa com os organizadores do concurso, decidimos suspender as provas, sem prazo para a remarcação, em razão da pandemia provocada pelo novo coronavírus. Tão logo haja soluções para a questão sanitária, a nova data será informada”, disse.

Concursandos apoiam

Para a Geóloga Patrícia Guimarães, que iria prestar o concurso, essa foi a melhor decisão. Mesmo com o sentimento de frustração, ela afirma que não estava se sentindo segura em prestar a prova em meio ao contexto da pandemia. “Como moro em outro estado, cogitava a possibilidade de, inclusive, não realizar a prova se a situação não estivesse estável. Senti um pouco de alívio, ” afirmou.

Patrícia afirma ainda que a abertura, em julho deste ano, do edital para a agente de polícia em meio a uma pandemia foi um erro, pois gerou muitas incertezas. “Os candidatos que não residem no DF ficaram ansiosos sem saber se deveriam investir em passagem, hospedagem para o período da prova ou se aguardavam essa suspensão.”, declarou.

A jornalista, Jalila Arabi, já imaginava que a suspensão fosse acontecer, já que a prova de escrivão já tinha sido suspensa em março, e que vai aproveitar esse tempo para poder estudar mais para as provas. “Em março, como estava tudo no começo ainda, foi uma “surpresa” maior, mas entendi o posicionamento e achei mais seguro mesmo. Dessa vez, eu já esperava e acho que seja o mais certo a se fazer, mesmo que seja frustrante estudar tanto tempo sem ter uma definição, achei a decisão acertada”, disse.

Cursinhos já esperavam

O coordenador de carreiras policiais do Gran Cursos, Érico Palazzo, também já esperava essa decisão da PCDF, diante da abertura de um edital durante a pandemia da covid-19. “Eu acredito que essa foi uma decisão assertiva, pois havia uma enorme preocupação de como seriam aplicadas essas provas. Quais as normas de higiene e de segurança iriam ser tomadas? Se um candidato apresentasse febre na hora do exame, ele poderia ou não fazer a prova?”, declarou o coordenador.

Ao todo o concurso da PCDF oferece 1.800 vagas, sendo 600 vagas para provimento imediato e mais 1.200 destinadas a cadastro reserva. A banca organizadora do concurso da PCDF é o Cebraspe, da Universidade de Brasília (UnB).

Tags
Send this to a friend