PCDF prende acusados de hackear sistema do Detran para vender carros

Grupo estaria tendo acesso ao sistema, retirando baixas de veículos roubados e furtados, conseguindo 2ª via do DUT e revendendo a terceiros

A Polícia Civil (PCDF) prendeu, nesta terça-feira (2), três pessoas acusadas de articular um grande esquema criminoso relacionado a roubo, furto e venda de carros. É a segunda fase da Operação Xeque Mate, que já havia prendido dois integrantes do grupo em abril.

Além das três prisões, foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão. A ação ocorreu nas cidades de Samambaia e Águas Lindas de Goiás-GO.

Como agiam

Segundo investigações, o grupo furtava e roubava veículos pelo DF e Entorno. Paralelo a isso, os acusados conseguiram hackear o sistema do Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF) e habilitar senhas inativas de servidores.

Tocador de vídeo

Media error: Format(s) not supported or source(s) not found

Download File: https://depasecg58tfl.cloudfront.net/wp-content/uploads/2020/06/WhatsApp-Video-2020-06-02-at-07.59.12.mp4?_=1
 
00:00
 
00:00
 
 

Com as senhas em mãos, os acusados retiravam restrições destes carros. Depois, através de procurações falsas obtidas em cartórios da Bahia, eles conseguiam a segunda via do documento único de transferência (DUT) dos veículos roubados ou furtados.

Em seguida, com os carros sem restrição e com a segunda via do DUT, o grupo revendia os veículos a terceiros, que não sabiam da irregularidade e acabavam tendo problemas após a compra. Isso aconteceu pelo menos quatro vezes no DF. 

Dois dos quatro carros foram recuperados e devolvidos aos verdadeiros donos, e o comprador teve de arcar com o prejuízo.

Tocador de vídeo
 
Tocador de víde

Ousadia

As investigações apontam ainda que, ao invadir o site do Detran-DF, o grupo chegava a usar senhas vinculadas a policiais para retirar as restrições dos veículos.

Os investigadores também detectaram o site de leilões https://leilaooficialdodistritofederal.org/. Esta página, hospedada em servidores nos Estados Unidos, se dizia autorizada pelo Tribunal de Justiça do DF (TJDFT) para desenvolver a atividade. No entanto, é uma fraude. O endereço da sede da empresa é falso, os telefones de contato não atendem e o TJDFT informou que eles não são cadastrados.

O Detran-DF foi comunicado sobre o crime, bem como as fragilidades detectadas no sistema. O departamento diz ter tomado medidas para aumentar o grau de segurança de acesso.

Quanto aos presos, eles responderão por associação criminosa, furto, estelionato, fraude documental e violação de sistema de informática. Se somadas, as penas podem ultrapassar 20 anos de reclusão.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

onze + 9 =

Send this to a friend