Dengue: 34 mil imóveis e 72 mil depósitos são inspecionados no DF

A Secretaria de Saúde alerta que, mesmo em tempos de coronavírus, a população também precisa se preocupar com as doenças causadas pelo Aedes

A Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival), por meio do programa Sanear Dengue, responsável por combater os focos do mosquito Aedes aegypti no Distrito Federal (DF), já inspecionou 34.384 imóveis e 72.249 depósitos no período de janeiro a maio de 2020. 

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal alerta que, mesmo em tempos de coronavírus, a população também precisa se preocupar com as doenças causadas pelo aedes: dengue, zika, chikungunya e febre amarela. 

Além de identificar os possíveis focos do mosquito, os agentes da Dival orientam os moradores de como prevenir a proliferação, recolhem os entulhos, verificam focos e colocam armadilhas para os mosquitos. As visitas são realizadas com autorização para entrar nas áreas externas e os profissionais envolvidos também passam o carro “fumacê”. O programa realizou o tratamento de 4.480 imóveis e 8.501 depósitos.

O diretor da Vigilância Ambiental, Edgar Rodrigues, ressalta a importância da colaboração da população, “Mesmo em tempos de pandemia, a população precisa tirar dez minutos do seu tempo para receber a equipe e prevenir focos. Já temos comprovações que a maior incidência dos criadouros do mosquito ocorre nas residências em lugares como caixas d’água, pneus e jardins”, destaca.

O programa já realizou ações em Taguatinga, Ceilândia, Planaltina, Santa Maria, Núcleo Bandeirante, São Sebastião, Gama Paranoá, Samambaia, Recanto das Emas, Brazlândia, Guará e Sobradinho. Dessas, Sobradinho, Guará e Gama são as regiões administrativas que receberam maior número de inspeções, respectivamente.

Em 2020, até a Semana Epidemiológica 18, foram notificados 27.249 casos prováveis de dengue no Distrito Federal. A dengue é uma doença endêmica que ocorre em áreas tropicais, cujos sintomas são febre alta, dores de cabeça, náusea, vômito, dores musculares e, nos casos mais graves, hemorragias que podem levar à morte.

Com informações da Agência Brasília

Send this to a friend