Secretaria de Meio Ambiente recupera barragens de bacias do DF

As ações visam à melhoria dos aspectos ambientais, bem como à conscientização e educação ambiental da população das regiões beneficiadas

Até sexta-feira (6) serão plantadas mais de 2.400 das de espécies nativas do cerrado no Parque Ecológico do Riacho Fundo. A iniciativa servirá para recuperar as nascentes existentes no local. O projeto começou no Parque de Águas Claras. Os dois parques fazem parte da bacia hidrográfica do Paranoá. Cerca de 20 espécies como jacarandá, pau-ferro, lobeira, ipês, paineiras e peroba estão sendo usadas no plantio.

O programa é coordenado pela Secretaria de Meio Ambiente (Sema) com recursos do projeto Citinova, do Ministério da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações e vai beneficiar áreas prioritárias para produção hídrica nas Bacias dos rios Descoberto e Paranoá, visando à manutenção e recuperação de seus aquíferos.

No início do trabalho, no Parque Ecológico de Águas Claras, foram plantadas mais de quatro mil mudas em uma área de aproximadamente cinco hectares. O plantio durou nove dias e contou com a colaboração do grupo de voluntários do Parque. No próximo período chuvoso serão iniciadas as ações nos outros 70 hectares apontados pelo programa, após elaboração de diagnóstico e priorização de áreas nas bacias do Descoberto e do Paranoá, para definição dos pontos de atuação. A conclusão desta segunda fase de plantio está prevista para 2021. Uma empresa responsável pelo trabalho também fará o monitoramento e manutenção das áreas plantadas.

O secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho, explica que a pasta está realizando iniciativas para incentivar, estimular e apoiar ações de conservação, recuperação ambiental e uso sustentável do Cerrado. “As iniciativas são voltadas em especial para a recomposição de áreas degradadas em Áreas de Preservação Permanente (APPs) e áreas de recarga de aquíferos, em áreas prioritárias para produção hídrica nas Bacias do Rio Descoberto e Rio Paranoá, visando à manutenção e recuperação de seus aquíferos”, afirmou.

 

De acordo com Nazaré Soares, coordenadora do CITinova pela SEMA/GDF, a necessidade do projeto vem da severa crise hídrica que afetou o Distrito Federal nos últimos anos. “Uma das principais causas, além da mudança no regime de chuvas e do aumento do consumo pelo crescimento populacional, é o manejo inadequado de áreas que suprem os mananciais, denominadas áreas de recarga”, diz.
Segundo ela, algumas práticas utilizadas levam à impermeabilização do solo, impedindo a infiltração da água e reposição dos aquíferos, o que afeta diretamente as nascentes.

Para a recomposição das áreas serão utilizados o plantio de mudas, plantio direto de sementes, condução da regeneração natural, enriquecimento em áreas alteradas, plantios agroflorestais, que aliam a produção agrícola sustentável à conservação do solo e benefício aos serviços ecossistêmicos, conforme a vocação de cada localidade.

As ações visam à melhoria dos aspectos ambientais, bem como à conscientização e educação ambiental da população das regiões beneficiadas. Os recursos para a primeira fase de recomposição (R$ 2 milhões) são provenientes de multas por danos ambientais a partir de ação civil pública movida pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

Também está sendo recuperada a Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie) do Bosque, localizado na QL 10 do Lago Sul. Este é o primeiro trecho de recuperação da Orla do Lago do Paranoá. Deverão ser plantadas até meados deste mês 1.600 espécies nativas do cerrado, em 4,5 hectares de extensão.

Tags
Send this to a friend