Número de ocorrências policiais cai 18,7% no Carnaval

Durante os quatro dias de festa, 601 ocorrências foram registradas nas delegacias de polícia – de tráfico e uso de drogas, apreensão de armas brancas, lesão corporal e extravio de documentos

Durante os quatro dias de festa, 601 ocorrências foram registradas nas delegacias de polícia – de tráfico e uso de drogas, apreensão de armas brancas, lesão corporal e extravio de documentos. O índice é 18,7% menor que o do Carnaval de 2019, que teve 739 ocorrências registradas. 

Com 196 casos, o crime mais registrado foi o furto de celular. O uso e posse de drogas foi o segundo crime mais recorrente. Não houve registro de estupro nos quatro dias de folia.

Uma das novidades deste ano foi a instalação da Cidade da Segurança Pública, na área central de Brasília – local que concentrou a maior parte dos 203 blocos cadastrados no DF. Coordenada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP/DF), a cidade foi ponto-base das operações das forças e de outros órgãos do governo. As novas estratégias incluíram ainda o uso de drones da Polícia Militar e câmeras de reconhecimento facial da Polícia Civil.

Concentrar as ações, de acordo com o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, foi a principal engrenagem para prevenir a criminalidade no carnaval. “Adotamos estratégias operacionais que trouxeram resultado rápido, como as linhas de abordagem da PMDF, que foi incansável no trabalho próximo aos blocos”, diz ele. “Tivemos ainda o Detran e o CPTrans atuando juntos na fiscalização de trânsito. O registro de ocorrências e a emissão de laudos definitivos da PCDF também foram uma importante ferramenta para manter o policiamento no local dos eventos”, reforça Torres.

 

Torres destacou ainda o videomonitoramento feito pelo Centro Integrado de Operações de Brasília (Ciob), que funcionou por 24 horas no apoio às ações de segurança e de governo nos eventos de carnaval, e a atuação do Corpo de Bombeiros do DF, que realizou 74 atendimentos à população durante os quatro dias de carnaval.

A Defesa Civil, por sua vez, fez 74 vistorias preventivas em instalações durante o período. “Todas as Forças imbuídas do mesmo propósito que foi de manter a paz e a tranquilidade do Carnaval das famílias do DF. E conseguimos”, declara Torres.

Uma das estratégias para prevenir eventuais crimes violentos no carnaval foi a utilização das linhas de revistas pessoais, pela PMDF. Quem chegava aos blocos vindo da Rodoviária de Brasília, por exemplo, encontrava pelo caminho linhas de policiais que revistavam foliões e mochilas em busca de objetos que poderiam ser utilizados como armas – como tesouras e garrafas de vidros.

A distribuição dos policiais militares nos locais dos eventos, geralmente em linhas, nas laterais dos blocos, permitiu outras abordagens e revistas e possibilitou a intervenção rápida em caso de confusões. Outro aspecto positivo da estratégia do policiamento foi a de tornar o policial mais visível, melhorando assim a sensação de segurança do público.

Terça de Carnaval

A Segurança Pública atuou em 26 eventos de Carnaval, cadastrados previamente, em todo o DF nesta terça-feira (25). A Polícia Militar utilizou 2,1 mil policiais e fez cerca de 3 mil revistas preventivas em todos as festas. Foram registradas 29 ocorrências, a maior parte por posse e uso de drogas. No Setor Comercial Sul, três pessoas foram detidas por porte de arma branca, por lesão corporal e por ato obsceno.

O Corpo de Bombeiros realizou 16 atendimentos de emergência nos diversos blocos de carnaval em que atuou. A corporação empregou 191 militares em 31 viaturas. No Setor Bancário Norte e Praça dos Prazeres, por exemplo, três pessoas receberam atendimento por uso excessivo de álcool. Na Praça Central do Setor Comercial Sul, sete foliões receberam suporte dos bombeiros, um por desmaio, dois por fraturas e quatro por alcoolemia. Cerca de 60 profissionais atuaram nos dois eventos.

A campanha Não Mexa Comigo, Senão Eu Apito, realizada pela PCDF, alertou os foliões sobre condutas desrespeitosas em relação às mulheres durante o Carnaval. O objetivo da iniciativa, coordenada pela Delegacia Especial de Atendimento à Mulher, foi prevenir a importunação sexual. Apitos e material informativo foram distribuídos à população. A ideia do apito é servir de alerta para eventuais importunações.

Em todo Carnaval, a PMDF realizou campanha de identificação infantil para garantir a segurança dos pequenos foliões durante a folia. A campanha começou com a emissão de carteirinhas de identificação que puderam ser emitidas e impressas pelo site da corporação. Além disso, a corporação realizou, em parceria com o Conselho Tutelar, Secretaria de Justiça e SSP/DF, a distribuição de mais de duzentas pulseiras de identificação infantil.

Com informações da Agência Brasília 

Send this to a friend