Ponte da Vila Cauhy ganha reparos pela primeira vez

Foi feita uma barragem com pedras para impedir o transbordo da água para as casas

A auxiliar de cozinha Daylene Sousa, 23 anos, mora desde 2003 na Vila Cauhy e afirma que nunca tinha visto melhorias na ponte que liga a Comunidade Obra de Maria (como é chamado aquele conjunto de casas por ficar perto de uma igreja católica) e o Setor de Oficinas do Núcleo Bandeirante.

Na última semana, no entanto, o pedido da moradora se realizou: a passagem utilizada por dezenas de moradores começou a ser reformada. O acesso é feito, prioritariamente, a pé para parte dos mais de 2 mil moradores que desejam chegar ao Núcleo Bandeirante.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), juntamente com a administração local, começou atacando um problema que há uma década e meia assolava aquela população: as enchentes provocadas pelo transbordo de um córrego que passa embaixo daquela ponte.

O mutirão de servidores da Novacap e da Administração Regional do Núcleo Bandeirante, que contou com maquinário pesado – tratores e caminhões –, fez uma barragem com pedras para impedir o transbordo da água para as casas. Além disso, a obra também serve para dar mais sustentação à ponte.

 

A iniciativa foi aprovada por Daylene. “Agora, a água não sobe mais para as nossas casas. Esse problema parece estar resolvido”, destaca a moradora.

Ela perdeu as contas das vezes em que teve prejuízo por causa de alagamento provocado pela enchente. “Eu já cheguei a perder tudo: cama, sofá, fogão. Tudo estragado pela água”, lembra.

De acordo com o administrador do Núcleo Bandeirante, Adalberto Carvalho, assim que a chuva passar a ponte será reformada. Ganhará pintura e estrutura novas. Sobre a barragem que impede a escalada da água do córrego, ele afirma que há um projeto para construir um gabião no local. Trata-se de uma espécie de paredão na base da ponte fixado por uma tela de ferro, muito comum em represas e viadutos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Por se tratar de uma obra de grande porte, exige-se que seja contratada uma empreiteira por meio de licitação. “É preciso também que o período seja de seca. Mas já está no calendário de melhorias previstas para cá”, assegura Carvalho.

Na tarde desta segunda-feira (20), a manicure Débora Batista da Rocha, 34 anos, cumpria a travessia diária em direção à vila quando afirmou: “Essa reforma melhorará muito a nossa vida.” Agora, a chuva para aquela comunidade não será mais sinônimo de problema, mas sim de alívio para o calor escaldante que faz nesta época do ano de verão arrojado.

Escrituras

O administrador do Núcleo Bandeirante, Adalberto Carvalho, antecipou ainda que está trabalhando para regularizar as moradias na Vila Cauhy, entregando aos proprietários as escrituras.

“O primeiro passo foi dado: fizemos uma audiência na Câmara Legislativa para tratar das escrituras. Não é um serviço fácil. Envolve a Secretaria de Habitação e a Codhab. Mas vamos fazer”, emenda.

Com informações da Agência Brasília

Tags

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

vinte − 10 =

Send this to a friend