Em 2020 a Coleta Seletiva Solidária deve chegar a 100% no GDF

‘A gente vai quebrar mais uma das máfias do Brasil, tirar R$ 500 milhões das mãos da tigrada da UNE’, disse o ministro da Educação

Em 2020 estima-se que todos os órgãos e entidades públicas do Governo do Distrito Federal implantem a Coleta Seletiva Solidária. Em 2019, 71 das 98 instituições do GDF foram capacitadas no tema, o que equivale a 72% do total e 78 deles criaram Comissões Gestoras de Coleta Seletiva Solidária, o que representa 80% do todo.

“Para 2020, a meta é implantar a Coleta Seletiva Solidária em 100% dos órgãos do GDF, gerir e aprimorar informações por meio do sistema E-coleta, além de coordenar a realização de uma campanha contínua sobre Coleta Seletiva no DF”, afirma o secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A Sema, por meio da Subsecretaria de Subsecretaria de Gestão das Águas e Resíduos Sólidos, é responsável pela coordenação geral da mobilização, sensibilização e orientação para a coleta seletiva. Além do estímulo à implantação da Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) e, monitoramento e avaliação das atividades no âmbito dos órgãos e entidades públicas do GDF.

É o que institui a Lei Distrital nº 4.792/2012 e o Decreto n° 38.246/2017 que a regulamenta. A Lei também determina que todo resíduo reciclável seja entregue às cooperativas de catadores de materiais recicláveis.

“Assim, quanto mais os resíduos forem separados, mais material chegará ao catador, aumentando sua renda”, afirma Maria Fernanda Teixeira, gerente de Implementação de Políticas de Resíduos, da Sema.

Ela explica que antes da desativação do Lixão da Estrutural, os catadores tinham acesso a todo o conteúdo dos caminhões e conseguiam, por meio de uma atividade insalubre e insegura, retirar o sustento. “Agora, eles atuam por meio de cooperativas nos galpões de triagem e sua renda depende de quanto material reciclável chega até as unidades, o que aumenta a responsabilidade de cada cidadão em fazer a separação dos resíduos”, afirma.

Por meio do SLU, o GDF mantém 29 contratos com cooperativas e associações, envolvendo 1.213 catadores de recicláveis que atuam na prestação de serviços de coleta seletiva e triagem. Em abril, deve ser inaugurado o Complexo de Reciclagem do Distrito Federal, empreendimento que engloba, em uma área de 80 mil metros quadrados, duas Centrais de Triagem e Reciclagem (CTRs) e uma Central de Comercialização (CC), no Pátio Ferroviário, próximo à Vila Estrutural.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

O Complexo vai funcionar para a recepção, triagem, classificação, prensagem, armazenamento e comercialização dos materiais recicláveis advindos da coleta seletiva do DF. A expectativa é de que no local sejam processados até 5 mil toneladas de resíduos recicláveis por mês.

Cada órgão ou entidade da Administração Pública do Distrito Federal deve constituir Comissão de Gestão da Coleta Seletiva Solidária, composta por representantes de diferentes áreas, para planejar, implantar e monitorar a coleta seletiva solidária.

Algumas das competências das Comissões são elaborar planos e projetos para a CSS com o estabelecimento de objetivos, metas, ações estratégicas e avaliação de resultados; colaborar com a implantação dos projetos e ações planejadas; elaborar rotinas e procedimentos de descarte dos resíduos recicláveis; colaborar e acompanhar a execução da Coleta Seletiva Solidária; preencher as informações necessárias no Sistema e-Coleta, tais como: diagnóstico da gestão de resíduos no edifício, plano de implementação da Coleta Seletiva Solidária e relatórios trimestrais.

Há pouco tempo os funcionários da Secretaria de Meio Ambiente (Sema) receberam em um grupo de WhatsApp para troca de informações sobre meio ambiente, fotos de algumas das lixeiras distribuídas pelo prédio. As imagens chamavam a atenção para a disposição incorreta dos resíduos e a necessidade da conscientização de cada um para uma efetiva coleta seletiva no órgão.

A iniciativa foi da Comissão de Gestão da Coleta Seletiva Solidária que, em 2019, tomou a decisão de deixar nas salas apenas recipientes para o lixo reciclável e em copas e refeitórios, recipientes para o lixo orgânico. “A gente sempre avalia como está sendo feito o descarte e reforça as informações necessárias. Depois das fotos, o resultado melhorou”, conta Hamilton Favilla, um dos integrantes da comissão.

A atuação da Sema na gestão da Coleta Seletiva Solidária tem outros resultados como o cadastro de novos usuários no Sistema de Gerenciamento da Coleta Seletiva Solidária (E-Coleta); a realização de cursos via Escola de Governo (Egov) sobre o tema “Sustentabilidade na Administração Pública (A3P) e Coleta Seletiva Solidária”; capacitação para as Comissões Gestoras não contempladas na Escola e palestras em órgãos públicos sobre “Sustentabilidade e Gestão de Resíduos na Administração Pública”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A secretaria também ofereceu capacitação para as empresas públicas e sociedades de economia mista não abrangidas pela Egov, além de palestras mais curtas com os mesmos temas, conforme demanda de instituições específicas.

Com informações da Agência Brasília. 

Tags

Send this to a friend