Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

Elefanta Bela ganhará novo recinto e acompanhante

Obra de adequação terá o objetivo de tornar o local mais seguro e viabilizar a união com o paquiderme Chocolate

Avatar

Publicado

em

“Eu falei bem assim com a minha mãe: ‘Agora que ela perdeu o namorado, vai ser bom ganhar outro e fazer muitos elefantinhos bebês pra gente visitar’.” Quem fala é Maria Rita (foto abaixo), de apenas seis anos, referindo-se à novidade a caminho no Zoológico de Brasília, mais precisamente no próximo mês.

Trata-se da obra de adequação do recinto que hospeda a elefanta Bela há mais de 24 anos, iniciada pelo Governo do Distrito Federal nesta segunda-feira (16). Mas não é uma simples obra de reparo: o objetivo do trabalho é reunir dois elefantes, Bela e Chocolate, que estão em áreas separadas do zoológico devido a dificuldades estruturais.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Com a reformulação, a equipe espera que, ao juntar os animais no mesmo local, eles se adaptem e se reproduzam dentro do programa de conservação do zoo.

O recinto antes tinha a barreira em formato de fosso, o que gerava risco de queda do animal. A equipe agora o transforma em semi-fosso rampado, com redução de espaço, eliminando-se o risco de queda. Também será colocada uma barreira mais alta e segura para que Chocolate seja acolhido sem ameaças à sua integridade física.

De acordo com o analista de Planejamento de Gestão Urbana do Zoológico de Brasília, Saulo Figueiredo, a modificação do formato do recinto quase que elimina o risco de acidente. “O fosso antigo, que era muito acentuado, será retirado e substituído por um fosso suave. Também será criado um platô na parte central do recinto, onde o elefante ficará mais visível para o público e terá um espaço maior para transitar”, explica o arquiteto.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼
Fosso é aberto na nova morada para Bela e Chocolate | Foto: Renato Araújo / Agência Brasília

A obra foi antecedida de diversos estudos da equipe de engenharia e biólogos do zoo, que apontaram as necessidades do local. Por exemplo, de acordo com os especialistas, o elefante necessita de um tanque de lama. Por isso serão implementados dois – um que ficará exposto aos visitantes e outro chamado de “refúgio”, feito para que o animal possa se recolher quando estiver estressado.

A obra começou nesta segunda-feira (16) e tem previsão de finalização para os próximos 30 dias. O valor é estimado em 250 e 300 mil reais. Também serão arrumados os abrigos, chamados de cambiamento, para melhorar a estrutura de acomodação, bem como será construído um brete, que é a área para treinamento do animal. Com essa estrutura, os cuidadores e biólogos terão acesso ao animal com segurança, de modo a evitar qualquer tipo de estresse ao elefante.

Perda de integrante

A elefanta Bela tinha a companhia do elefante Babu, que morreu no ano passado. O diretor de mamíferos do Zoológico de Brasília, Filipe Reis, conta que após a perda do amigo a equipe viu a necessidade de colocar o Chocolate para conviverem juntos.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“Tínhamos o desejo de fazer isso a muito tempo, mas devido a segurança dos animais não conseguíamos. Pois o Chocolate é mais alto que o Babu e, por ele ter vindo de circo, ele tem algumas habilidades desenvolvidas que o outro não tinha. Então, com essa obra, a gente garante a segurança para fazer a aproximação da Belinha com o Chocolate”, afirma.

Ainda de acordo com o biólogo, os mamíferos já se reconhecem, pois sentem a presença um do outro, mesmo que distantes. “São indivíduos que já se conhecem. Não é legal para essa espécie viver sozinha. Eles sentem os cheiros um do outro, isso vai facilitar quando colocarmos juntos. Estamos fazendo de tudo para seu bem-estar”, finaliza Filipe.

Segurança durante os trabalhos

Durante as obras Bela fica dentro de um abrigo (cambiamento). Ela está acomodada na área interna do recinto, sob monitoramento, e Chocolate está em seu recinto antigo.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Neste período Bela também recebe alimentação especial, pois vai se movimentar menos. Além disso os biólogos colocam “enriquecimentos”, que são atrativos para que ela tenha o que fazer lá dentro, de maneira a não ficar entediada.

Com informações da Agência Brasília

 

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *