Dezembro vermelho: prevenção e conscientização

Faculdade do DF organiza mutirão para fazer testes rápidos de HIV, Sífilis e Hepatite B relativos ao mês da conscientização da AIDS

A iniciativa de uma faculdade particular do Distrito Federal movimentou o Setor Bancário Sul na manhã de ontem. Com professores e alunos voluntários os cursos da área de saúde da Faculdade Fortium organizaram um mutirão de atendimentos instantâneos de HIV, Sífilis e também Hepatite B.

Para os professores organizadores é importante organizar mutirões desse tipo porque existem muitas pessoas que desconhecem esse tipo de teste e também têm receio de procurar médicos. “Nessas ações a gente mostra para os alunos a importância de ter esse cunho social na profissão”, explica a professora Hylane Damascena.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Leonardo Torres, 30, é programador no Banco do Brasil e quando saiu para almoçar aproveitou o momento para fazer o teste. Para ele, o teste foi bem simples e rápido. “É importante instruir sobre essas doenças, primeiro para não contaminar outras pessoas e também se tratar caso seja identificado a doença”, comenta.

Ludmila de Oliveira, 30, trabalha no setor bancário como segurança operacional e também estava em horário de almoço na hora de fazer o teste e para ela, movimentos com esse são muito importantes. “Se não existir esse tipo de nicho para o pessoal passar e fizer os testes mesmo, estes testes rápidos, o pessoal não vai atrás para descobrir e às vezes descobrindo mais cedo você consegue se curar mais cedo”, disse.

 

De acordo com o diretor geral da faculdade Héber Wenner Garcia o trabalho de extensão dos alunos vai além de unir praticar a teoria que eles aprendem porque é também de importância social. “Nós temos que trabalhar na prevenção porque muitos não sabem que têm a doença e que com o diagnóstico, feito em exames rápidos, e com orientação é possível que busque ajuda mais rápida e fácil”, explica.

Como é feito o teste

Os testes são feitos na hora são simples de serem feitos: basta somente um pequeno furo em um dos dedos da mão. Antes do furo, no entanto, os voluntários explicam qual teste indicará qual doença e como eles indicam se é positivo ou negativo.

Uma pequena picadinha e o sangue retirado deste furinho é o suficiente para fazer os testes de HIV, Sífilis e Hepatite B. Há um pequeno buraco onde se coloca o sangue e após colocar um reagente em cima o resultado começa a aparecer. O sangue se espalha em seguida para mostrar o resultado. Assim como em um teste de gravidez em caso positivo da doença é possível ver duas linhas paralelas uma à outra no teste. Em caso negativo somente uma linha aparece.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Após a consulta um dos professores avalia os testes e anota em um papel tudo o que foi registrado. Ainda que possam dar o diagnóstico nas tendas não é possível fazer o encaminhamento para nenhum hospital ou centro clínico. “Não podemos fazer encaminhamento mas a gente explica para todos que tiverem exames positivos que procurem postos de saúdes [em todos é possível fazer atendimento para DSTs] e falem que fizeram testes rápidos e que deram positivo para que assim possam dar início ao tratamento”, explicou a professora Hylane.

O grupo de voluntários estará amanhã (14) em São Sebastião e na Rodoviária do Gama fazendo o mesmo tipo de atendimento para todos os públicos. A única restrição para fazer os testes é a idade: somente maiores de 18 anos podem participar.

Serviço

Estacionamento do Banco de Brasília
Avenida comercial 1481 Setor tradicional em São Sebastião DF
Das 9hrs às 13hrs.
Rodoviária do Gama
Das 9hrs às 13hrs.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

dezenove − 12 =

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend