Integração de secretarias é o caminho para economia e desenvolvimento do GDF

Defesa foi feita pelo governador Ibaneis Rocha durante reunião de balanço com toda a equipe do governo

Corte de gastos, incremento na receita e mais investimentos na cidade foram cobrados nesta segunda-feira (16) pelo governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, aos três escalões do Executivo. Em uma reunião com secretários de estado, presidentes e diretores de autarquias e empresas estatais na Residência Oficial de Águas Claras (Roac), Ibaneis ressaltou a necessidade de maior integração entre as pastas como fator essencial para o desenvolvimento do DF.

O balanço dos nove meses da atual gestão, tratados na reunião com o secretariado, serviu para balizar as pastas num processo de desburocratização das ações até o final do ano. Ibaneis reforçou a necessidade de as secretarias promoverem um desemparelhamento dos seus quadros, principalmente em áreas onde contratos emergenciais se arrastam, processos licitatórios não são estabelecidos e economias geradas como se deveria.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Para o governador, não há mais espaço para desperdício de dinheiro público promovido durante anos no DF. “Enxugar a máquina pública é uma prioridade e cada secretaria terá que fazer ajustes e priorizar investimentos em áreas de maior impacto para a sociedade”, determinou. Ainda de acordo com ele, contratos em diversas áreas, principalmente nas secretarias de Saúde e de Educação deverão ser revistos – e cortados.

Obras e segurança
Os secretários compartilharam o que foi feito ao longo dos primeiros meses de mandato. Secretário de Governo, José Humberto listou uma série de projetos e obras em andamento no DF. Já são 136 delas em diversas pastas, com investimentos que ultrapassam R$ 4 bilhões. Já o secretário de Economia, André Clemente, informou que as contas do Executivo estão bem conduzidas e só não fecharam no azul por conta de uma dívida da CEB, deixada em anos passados, que precisou ser quitada.

Na Segurança Pública, o secretário Anderson Torres reiterou a necessidade de reforçar a campanha de prevenção e combate ao feminicídio, estimulando vizinhos, familiares e amigos a denunciarem todo tipo de violência contra a mulher. Ele explicou que os casos não aumentaram no DF nos últimos anos e que a mudança de tipificação do crime dá essa sensação irreal de que mais vítimas andam sendo feitas.

O que antes ocorria é que esse tipo de crime de gênero não era separado de todos os outros casos envolvendo mulheres. Quando isso passou a ocorrer, desde 2015, os casos pareceram aumentar, quando na verdade eles só foram especificados.”

Com informações da Agência Brasília

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

15 + 5 =

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend