Grupo LGBT mais antigo do DF, premia ativistas da causa

O prêmio é uma honraria dedicada à diversidade de orientação sexual e identidade de gênero mais antiga do DF e foi criado em homenagem ao grupo Beijo Livre

A coordenadora de Diversidade LGBT da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus-DF), Paula Benett, recebeu o Prêmio Beijo Livre de Direitos Humanos LGBT. 

O prêmio é uma honraria dedicada à diversidade de orientação sexual e identidade de gênero mais antiga do DF e foi criado em homenagem ao grupo Beijo Livre, criado em 1969 – o primeiro organizador ativista Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais (LGBT) da capital federal e um dos pioneiros no Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Para Paula Benett, ganhar o prêmio Beijo Livre possui uma simbologia ainda maior em sua vida por ser uma pessoa trans e que luta por mais direitos para a população LGBT.  “Isso indica que o trabalho está no caminho certo e tem sido feito corretamente – e ser reconhecido é motivo de grande alegria para qualquer profissional”, explica Paula Benett.

 Durante a cerimônia de entrega, no dia 8, foram divulgadas todas as ações que antecedem a 22º Parada do Orgulho LGBT de Brasília – marcada para 14 de julho. 

 Além da coordenadora de Diversidade LGBT da Subsecretaria de Direitos Humanos e Igualdade Racial, da Sejus, que ganhou o prêmio na categoria gestão pública, foram premiados: a Igreja Anglicana do DF, categoria Contribuição; o deputado Fábio Félix, categoria Política; o Instituto LGBT+ categoria Cultura; a Campanha Livres & Iguais da ONU, na categoria Contribuição; Congresso em Foco na categoria Comunicação; Henrique Salles (Baby do Brasil). na categoria Ativismo; e o Conselho de Direitos Humanos, na categoria Cidadania.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

1 × 1 =

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend