Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

MPDFT participa de ação nacional contra as facções criminosas

Publicado

em

Dez Grupos de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaecos) do Ministério Público brasileiro fazem operações contra integrantes de facções criminosas, nesta terça-feira, 4 de dezembro, no Distrito Federal e em 15 estados brasileiros.

No Distrito Federal, a ação foi coordenada pelo Núcleo de Controle e Fiscalização do Sistema Prisional do MPDFT (Nupri), com o apoio do Gaeco local e da Polícia Civil do DF. Eles cumpriram mandados de busca e apreensão e prisão contra integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC). Durante as buscas, que aconteceram também em Santo Antônio do Descoberto (GO), foram apreendidos telefones celulares, anotações e cadastros ligados à facção criminosa.

O apoio à iniciativa nacional tem o objetivo de evitar a instalação da facção do PCC no Distrito Federal. Com esse intuito, já foram realizadas outras operações como a Tabuleiro, em 2014; a Palestina (51 denunciados), em 2015; e a Legião (54 denunciados), em 2016. Neste ano, também foram realizadas as operações Prólogo (23 denunciados) e Hydra (60 denunciados).

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼
Leia também:  Neoenergia inaugura novo centro no DF

Ação Nacional

Em todo o Brasil, os alvos são integrantes da facção criminosa de origem paulista Primeiro Comando da Capital (PCC); das cariocas Comando Vermelho (CV), Terceiro Comando Puro (TCP) e Amigo dos Amigos (ADA); da capixaba Primeiro Comando de Vitória (PCV) e da paraibana OKAIDA RB, uma dissidência da OKAIDA. As diligências foram realizadas nos estados Acre, Alagoas, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Tocantins e no Distrito Federal.

A ação é articulada em âmbito nacional pelo Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC). Ao todo, serão cumpridos 266 mandados de prisão e 203 de busca e apreensão. Em Tocantins, foi realizada inspeção na Casa de Prisão Provisória de Palmas, com a finalidade de apreender armas, drogas, explosivos, aparelhos de comunicação móvel e cadastros de faccionados.

Leia também:  Outubro Rosa: prédios do Congresso recebem projeções

O Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC) congrega o Ministério Público brasileiro e foi criado em fevereiro de 2002, por iniciativa do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais dos Ministérios Públicos dos Estados e da União (CNPG), para combater o crime organizado que atinge todo o país.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta