Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

Quatro candidatos disputam o comando da OAB no Distrito Federal

Publicado

em

Chapas definiram os nomes para as eleições de uma das entidades mais influentes na capital. Dois grupos têm apoio de ex-presidentes da Ordem e dois dizem romper com o modelo da política tradicional, sendo que um é formado majoritariamente por mulheres

Os 32.715 advogados com inscrição ativa na Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Distrito Federal (OAB/DF) escolherão, no dia 29, qual chapa comandará a sede local e as subseções regionais pelo próximo triênio (2019 a 2021). Disputam a presidência da entidade Jacques Veloso, pela chapa Quem Sabe Faz a Ordem; Délio Lins, pela Independência na Ordem; Max Telesca, da Somos todos OAB; e Renata Amaral, pela Ordem Democrática.

O representante eleito tem entre as obrigações remeter a proposta orçamentária anual da Ordem e fiscalizar e defender a profissão. A liderança da OAB/DF é um dos cargos de maior influência política na capital federal, tendo como ex-líder o governador recém-eleito Ibaneis Rocha (MDB).

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

O emedebista participa indiretamente da disputa. Até julho, ele e o atual presidente da entidade, Juliano Costa Couto, discordavam na escolha de um nome para encabeçar a chapa que representaria a atual gestão. Para integrar o apoio de dois nomes importantes na OAB/DF, o grupo promoveu uma votação secreta e lançou o nome do atual secretário-geral da Ordem, o advogado Jacques Veloso.

Participação ativa

Com 43 anos de idade e 16 de OAB, Jacques Veloso é fundador do escritório Veloso de Melo Advogados. Com o tempo de casa somado aos apoios, aparece como um dos nomes mais fortes pela disputa. Jacques participa da Ordem desde os 27 anos, quando fez parte da Comissão de Advogados Iniciantes, pauta que quer levar para uma eventual gestão.

“Quero incentivar o apoio aos jovens advogados, melhorar a entrada deles no mercado de trabalho e assim diminuir o alto desemprego dentro da categoria”, ressalta.

O candidato também destacou a aplicação da lei dos honorários de sucumbensia, pelo qual a parte perdedora no processo é obrigada a arcar com os custos do advogado da parte vencedora. Na composição da chapa, Jacques afirma que tentou representar todas as categorias da advocacia, com representantes de áreas estatais, trabalhista, tributária e criminal.

Longe de partidos

Dentro dos grupos tradicionais, o principal concorrente de Jacques deve ser o advogado Délio Lins. Ele recebe apoio do advogado Francisco Caputo, que presidiu a OAB/DF entre 2010 e 2012, após vencer Ibaneis na disputa pelo cargo. Na gestão de Caputo, Délio atuou como conselheiro, presidindo as Comissões de Apoio ao Advogado Iniciante e de Honorários da instituição. Caso Délio assuma a presidência, Caputo será o conselheiro federal.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Em 2015, Délio disputou a presidência da OAB/DF, ficando em segundo lugar. Agora, busca a eleição para “recuperar o respeito e a representatividade aos advogados”. Um dos meios de garantir isso seria “desvincular o conselho de partidos políticos”.

“Queremos resgatar a voz da Ordem, como instituição que tem história na defesa dos direitos da sociedade e das prerrogativas profissionais. Isso só será possível com a desvinculação total de partidos políticos e interesses partidários. Lutamos por uma OAB/DF independente de fato e que volte a representar os advogados e a advocacia”, afirma Délio.

Via alternativa

Apoiados pela onda de renovação no cenário político, duas candidaturas chegam às eleições da OAB/DF munidos pelo discurso de pôr um fim nas oligarquias na entidade. Um deles é Max Telesca, candidato a vice-presidência da OAB/DF em 2015 pela chapa liderada por Paulo Roque, que disputou cadeira no Senado Federal pelo Partido Novo, mês passado.

Advogado há 21 anos, Telesca é presidente do Instituto de Popularização do Direito (Ipode), que busca levar as populações mais carentes a linguagem do direito de maneira mais simplificada. Na OAB/DF, atuou como presidente da Comissão de Direitos Sociais e do Tribunal de Ética e Disciplina.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“Há uma crise muito grande no mercado de trabalho e na nossa relação com o Judiciário e o Ministério Público. Estamos nessa cruzada para mudar a forma como a nossa categoria está sendo tratada. Ajudar os advogados da advocacia real, que está longe dos centros urbanos”, comenta.

A chapa presidida por Max passou por formulação ao longo dos últimos cinco meses. “Nesse movimento buscamos incluir mulheres, advogados públicos e minorias. Chegamos à formação de uma chapa plural e em busca do fortalecimento da advocacia real”.

Representatividade

A pluralidade na OAB/DF também é a meta da chapa liderada por Renata do Amaral, em que 70% dos postos são ocupados por mulheres. “São 88 anos de existência e nunca existiu em nenhum lugar do Brasil, nem no Conselho Federal, nem em alguma seccional, uma chapa composta majoritariamente por mulheres, incluindo os cargos de direção”, destaca a advogada. Ela atua, principalmente, nas cortes superiores e nas causas que envolvem violência de gênero e direito das mulheres.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Renata destaca que as mulheres ocupam cerca de 50% da OAB/DF, mas ainda são minorias na Ordem — só uma mulher presidiu a entidade, Estefânia Viveiros, entre 2004 e 2009.

“ A nossa chapa é a única que traz uma renovação e inovação na diretoria da Ordem. Trazemos na composição efetivamente pessoas que nunca participaram e nunca concorreram a nenhuma cargo de direção. É uma oxigenação”, explica.

Para Renata, a OAB tem historicamente um papel na defesa do estado democrático de direito, mas que ao decorrer do tempo isso se perdeu.

“Vamos retomar o papel da OAB nas discussões de relevância tanto nacional quanto local. Vamos nos posicionar firmemente contra a retirada de direitos, as injustiças sociais e na defesa dos direitos humanos”, pontua.

FIQUE LIGADO!

Data: 29 de novembro
Horário: das 9h às 17h
Data final para transferência de zona eleitoral: 18h, do dia 15 de outubro
Data final para regularização financeira: 19h, do 30 de outubro, no edifício-sede da OAB/DF
Data final para apresentação da justificativa: 29 de janeiro de 2019

LOCAIS DE VOTAÇÃO

Brasília – CENTRO DE CONVENÇÕES ULYSSES
Subseção de Brazlândia (Endereço: Área Especial NR 4 – Rua 10 – Lote 4 – Setor Tradicional – Fórum Desembargador Márcio Ribeiro)
Subseção de Ceilândia (Endereço: CNM 1, Bloco G, Salas 301 a 305, Edifício Ceilândia Center. CEP: 72210-200 – CEILÂNDIA – DF )
Subseção do Gama e Santa Maria (Endereço: Vara do Trabalho do Gama – Área Especial 01, Praça 02, Lote 06 CEP, St. Central)
Subseção do Guará (Endereço: QE 25 Conjunto 2 – Lotes 02 e 03 – Segundo Andar – Sala 49)
Subseção do Núcleo Bandeirante e Riacho Fundo (Endereço: Fórum Desembargador Hugo Auler – Avenida Contorno, Área Especial, nº 13, Lote 15 – Núcleo Bandeirante. Núcleo Bandeirante/DF)
Subseção do Paranoá (Endereço: Área Especial N.02 – Lote 1 – Quadra 03 – Centro Social João Paulo II)
Subseção de Planaltina (Endereço: AV. São Paulo – Quadra 18 – Lote 16 Sala 04)
Subseção de Samambaia (Endereço: Residencial Boulevard das Acácias – Qd. 302, Conjunto 03, Loja 4)
Subseção de São Sebastião (Endereço: Fórum Desembargador Everards Mota e Matos – Centro de Múltiplas Atividades, Lote 4)
Subseção de Sobradinho (Endereço: Fórum Desembargador Juscelino José Ribeiro – Quadra Central Lotes 2/7 – Área Especial – Bloco F)
Subseção de Taguatinga (Endereço: Endereço: QI 10, Lote 54, Setor de Indústria, Taguatinga Norte)

 

Pedro Grigori
Leia mais no Correio

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta