Funcionários da CEB decidem entrar em greve na próxima segunda (3)

Em assembleia nesta quinta-feira (29), os funcionários da Companhia Energética de Brasília (CEB) decidiram entrar em greve a partir de segunda-feira (3).

Com isso, apenas chamados emergenciais devem ser atendidos. A categoria reivindica reajuste salarial e rejeitou a contraproposta da companhia. A empresa pública havia oferecido um acréscimo fixo de R$ 337,65 para cada profissional, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Segundo o Sindicato dos Urbanitários do DF (STIU), a pauta de reivindicações foi entregue à CEB em 14 de setembro. Desde então houve mais de uma dezena de reuniões de negociação, na tentativa de avançar com o acordo. Os funcionários também cobram melhoria nos planos de saúde e odontológico, a complementação do auxílio-doença previdenciário, a garantia de emprego a gestantes e a acidentados no trabalho, abono especial temporário, entre outras medidas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Para a direção do STIU-DF, a proposta não atende minimamente aos anseios dos trabalhadores. Além do reajuste, a categoria requer ao menos o pagamento de um abono especial temporário por produtividade. Os sindicalistas afirmam que devem se reunir nesta quinta (29) com parlamentares do DF e na segunda-feira, dia de início da greve, com o governador Rodrigo Rollemberg, para buscar uma saída ao impasse.

Servidores de várias áreas se mobilizam

O Jornal de Brasília mostrou nesta quinta-feira que, além dos prejuízos característicos da paralisação, o cenário sinaliza que sindicatos e associações estão se articulando à medida que a troca de governo se aproxima. Entre os sindicalistas, é unânime: por enquanto, não há ações enérgicas, mas o futuro governador, Ibaneis Rocha, poderá ter problemas caso não cumpra com o que foi prometido.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend