Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

Combate à dengue: DF está em alerta contra o mosquito Aedes aegypti

Publicado

em

Secretaria de Saúde reforça importância de a população ajudar a prevenir focos de larvas do inseto, especialmente no período das chuvas

O Distrito Federal entrou em situação de alerta contra o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, do zika vírus e da febre chikungunya.

Devido à época de chuvas, o índice de infestação predial (IIP) com larvas do vetor dessas doenças subiu de 0,2%, em agosto, para 1,48% em novembro.

Lago Norte, Fercal, Lago Sul e Sobradinho II são as regiões administrativas com os maiores índices de infestação predial, de acordo com a Secretaria de Saúde.

Em entrevista coletiva na sede da pasta nesta segunda-feira (26), o secretário Humberto Fonseca alertou sobre a importância de a população tomar consciência e fazer a vistoria para evitar aumento no número de casos em 2019.

“Todos temos de agir para impedir que a larva do mosquito nasça e se prolifere.”

A situação de alerta tem por base o mais recente Levantamento Rápido de Índices para o Aedes aegypti (LIRAa), que permite o conhecimento, de forma rápida, por amostragem, da quantidade de imóveis com a presença de recipientes com larvas do mosquito.

“Todos temos de agir para impedir que a larva do mosquito (da dengue) nasça e se prolifere”Humberto Fonseca, secretário de Saúde

Segundo dados da Saúde, o Lago Norte teve 8,73% dos imóveis inspecionados com infestação, seguido da Fercal (5,41%), do Lago Sul (4,78%) e de Sobradinho II (4,54%).

Leia também:  FAP-DF abre dois novos programas de bolsas

Cada região administrativa apresenta diferentes motivos para o aumento no índice. “Nos Lagos Norte e Sul, tivemos infestação maior em vasinhos de plantas, que acumulam água. Na Fercal, o maior número de focos foi encontrado no lixo e, em Sobradinho II, houve mais registros em reservatórios localizados no solo, como em barris e tonéis, para acumular água”, apontou Humberto Fonseca.

No levantamento, os agentes de saúde entraram nas residências selecionadas, nos quarteirões sorteados e fizeram inspeção durante a visita domiciliar.

Foram identificados e examinados os depósitos que reuniram as condições para proliferação do vetor Aedes aegypti, e aqueles com presença de larvas foram removidos, destruídos ou tratados e contabilizados.

Até quinta-feira (29), serão desenvolvidas ações em várias cidades do DF, com foco na prevenção, no controle e no combate ao mosquito.

O objetivo é mobilizar a comunidade, com ênfase no período chuvoso, em que há maior proliferação do inseto.

Para atuar nessas iniciativas, foram treinados 350 militares do Corpo de Bombeiros do DF.

Leia também:  Sejus promove atividades educativas com adolescentes no DF

Também participam as Secretarias das Cidades e de Educação, “mas é importante destacar que o trabalho tem de começar dentro de casa. Se todos, por exemplo, auxiliarem o vizinho no combate ao mosquito, também é prevenção”, destacou a subsecretária de Vigilância à Saúde, Beatriz Ruy.

As iniciativas integram a Semana Distrital de Mobilização contra a Dengue e Outras Doenças Transmitidas pelo Aedes, que começou na sexta-feira (23) com o Fórum MobilizaDF: juntos contra o Aedes. O evento marcou o Dia D de Combate ao Aedes no Distrito Federal neste ano.

Outro serviço que combate o mosquito da dengue é promovido pelo programa Cidades Limpas, coordenado pela Secretaria das Cidades. Feito em ciclos, ele é desencadeado em todas as 31 regiões do Distrito Federal.

Além disso, em fevereiro deste ano, a Secretaria de Saúde publicou o Plano Integrado em Saúde para Prevenção, Controle e Enfrentamento da Dengue e Outras Arboviroses – 2018-2019.

O objetivo é orientar, facilitar, agilizar e uniformizar as ações necessárias para resposta solidária, tempestiva, coordenada e articulada entre as unidades e setores do Sistema Único de Saúde (SUS).

O plano está sendo implementado nas regiões de saúde do Distrito Federal e reforçado no período de sazonalidade.

Leia também:  GDF já distribuiu 167 mil canetas aplicadoras de insulina

Veja dicas da Secretaria de Saúde para evitar a reprodução do mosquito da dengue:

  • Mantenha a caixa d’água fechada e com a limpeza em dia
  • Não acumule água em potinhos de plantas. Utilize como estratégia o preenchimento com areia nos pratos
  • Avalie se há água acumulada em calhas e faça a desobstrução caso haja materiais que impeçam o escoamento da água
  • Caso armazene água em baldes e tonéis, certifique-se de que estejam bem fechados
  • Faça limpeza semanal com água e sabão nos recipientes de armazenamento de água
  • Guarde garrafas sempre viradas para baixo
  • Mantenha as lixeiras e contêineres de lixo sempre fechados
  • Não jogue lixo nas ruas ou terrenos baldios

Brasília teve 1.913 casos prováveis de dengue em moradores locais

No mais recente boletim epidemiológico, a Secretaria de Saúde registrou, em 2018, 1.913 casos prováveis de dengue em residentes do DF.

Foram três casos graves e uma morte pela doença até o momento. No mesmo período de 2017, houve 21 ocorrências graves e 12 óbitos.

“Tivemos uma redução acima de 50% em relação aos níveis do ano passado. Ainda temos tranquilidade no controle da dengue, mas esse é o momento de agir”, reforçou o secretário.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *