Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

Flagrantes de motoristas embriagados subiram 60% ao longo de 2017; no Natal: 426%

Publicado

em

A autuação de motoristas embriagados cresceu 59,9% de janeiro a novembro deste ano. No Natal, não foi diferente: 79 pessoas foram flagradas pelo Departamento de Trânsito (Detran- DF).

O número corresponde a condutores pegos em todo o fim de semana – entre 23 e 26 de dezembro – e é 426% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, quando 15 motoristas foram autuados pelo mesmo motivo. Neste réveillon, serão realizadas 200 operações com foco na Lei Seca e itens obrigatórios.

Os crimes cometidos no trânsito também aumentaram neste Natal. Neste ano, três motoristas ultrapassaram a quantidade de 0,33 miligrama de álcool por litro de ar expelido, considerada crime. Em 2016, o Detran não flagrou ninguém nessa situação.

A realidade observada no último feriado é reflexo do comportamento dos condutores ao longo do ano. Em 11 meses, 23.056 condutores foram autuados por dirigirem embriagados nas vias do DF. No mesmo período do ano passado, 13.830 infrações dessa natureza foram registradas.

Leia também:  Com vendas em alta, concessionárias elogiam atuação do GDF

Segundo o órgão de trânsito, o salto de quase 500% no número de autuações por alcoolemia é resultado da fiscalização, que está mais acurada. O Detran informou, em nota, que houve mudança de estratégia nas operações iniciadas em janeiro.

“Começamos a fazer ações planejadas e integradas para interceptar condutores alcoolizados antes que provoquem algum acidente”, destacou.

Infração gravíssima

A penalidade aplicada ao motorista que dirige sob influência de álcool ou outra substância psicoativa que determine dependência é multa de R$ 2.934,70 e suspensão do direito de dirigir. Caso haja reincidência em menos de um ano, o valor dobra. A infração é considerada gravíssima pelo Artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro.

Para evitar esses transtornos, a comerciante Daniela Alves Feitosa de Araújo, 24, resolveu deixar o carro em casa na véspera de Natal e utilizou um aplicativo de transporte para ir de Águas Claras a Ceilândia. “O serviço fica mais caro em datas comemorativas, por causa da tarifa dinâmica, mas isso não foi problema. O importante foi chegar com segurança”, frisa.

Leia também:  Mais um beco da rota acessível recuperado no Cruzeiro Velho

Opção de quem tem juízo

O medo de tomar multa, perder a carteira de motorista e provocar acidentes anda lado a lado com a consciência, desabafa Daniela Alves. “Acho muito errado beber e dirigir. É uma irresponsabilidade enorme. Se é proibido, as pessoas não deveriam pegar no volante após ingerir bebida alcoólica”, enfatiza a comerciante.

A demanda por viagens acionadas por aplicativos de celular aumenta durante o feriado do Natal, se comparada a feriados comuns, na opinião do motorista e presidente da Associação de Motoristas por Aplicativo de Distrito Federal, Bismarck Konrad Hegermann. Para os prestadores de serviço, trabalhar durante a véspera e o dia de Natal é vantajoso. “Conseguimos ter ganhos maiores. Tem viagem que dobra de valor”, demonstra, e cita uma corrida feita por um colega. “O preço normal seria R$ 153. Saltou para quase R$ 300”.

Leia também:  Como montar um currículo profissional de sucesso?

Hegermann acredita que os motoristas estão preocupados com a Lei Seca. Por isso, preferem deixar o automóvel na garagem e optar por meios de transporte alternativos. “No Natal, passageiros comentaram que preferiam ir de aplicativo do que arriscar levar uma multa ou cometer acidentes”, lembra o motorista, que também trabalhou durante a data. “Valeu muito a pena”, opina.

Rafaella Panceri
Jornal de Brasília

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *