PM fecha o cerco no trânsito do DF

O Comando de Policiamento de Trânsito da Polícia Militar do Distrito Federal foi responsável por mais de dois terços das multas por embriaguez ao volante realizadas na capital até setembro.

Das 19.502 autuações aplicadas a motoristas bêbados nas vias e rodovias, 14.026 foram emitidas pela corporação, que mantém convênio com Departamento de Trânsito (Detran) e Departamento de Estradas de Rodagem (DER).

Subcomandante, o tenente-coronel Edvã Sousa explica que há um ano a abordagem das equipes militares tem foco em autuações de trânsito ligadas à vida e à integridade física.

Pirataria

Além da alcoolemia, o combate ao transporte pirata também é prioritário: as equipes da PMDF foram responsáveis por todas as mais de quatro mil autuações realizadas neste ano. “A pirataria é quadrilha. Se não tiver ostensividade, o negócio complica”, diz.

“Não dá para focar em todo o Código Brasileiro de Trânsito. Não esquecemos os outros pontos, mas elegemos aqueles ligados à vida para dar ênfase. Sabemos que quem consome álcool ou faz pirataria passa pela rodovia e pela parte urbana para chegar ao local do crime e até se evadir”, afirma.

Também foram emitidas no período mais de 32 mil multas por uso de celular e 24 mil por ausência do cinto de segurança somente por parte da corporação.

“Estamos fazendo a nossa parte. Não importa quanto representa do total, se menos ou mais. O objetivo não é autuar, é evitar acidentes e preservar vidas. Nós não somos órgão de trânsito, somos policiais militares especializados em trânsito”, afirma o subcomandante Edvã Sousa. No mês de outubro, até o dia 30, foram quase dez mil autuações.

Vias e rodovias sob fiscalização

Cerca de 500 policiais se dividem entre o Batalhão de Trânsito (BPTran), que foca nas vias urbanas, e o Batalhão de Policiamento Rodoviário (BPRv), nas rodovias. Eles atuam em motos individuais, em dupla em viaturas ou em comboios de três carros. Semanalmente, as equipes passam por instrução. Eles também combatem outros crimes: até setembro, apreenderam 119 armas e mais de uma tonelada de drogas, além de recuperarem 132 veículos roubados.

O convênio firmado entre a corporação e as autarquias prevê cooperação em prol de melhorias nas condições de trânsito por meio de fiscalização e policiamento ostensivo.

Data:30-10-2017 Policiamento de Transito Foto: Breno Esaki

Saiba Mais

  • Conforme o artigo 165 do Código Brasileiro de Trânsito, dirigir sob influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência é infração gravíssima. Rende sete pontos na carteira de motorista, multa de R$ 2.934,70 e suspensão do direito de dirigir por 12 meses.
  • Já o transporte pirata é previsto como infração média no artigo 231. Transitar com o veículo efetuando transporte remunerado de pessoas ou bens, quando não licenciado, rende quatro pontos e multa de R$ 130,16. O carro fica retido.

Soma de forças

Silvain Fonseca, diretor do Detran, garante que nas vias urbanas da capital os índices de autuação da autarquia e da PMDF são parelhos. “A diferença não chega a tanto. O importante é que tiramos 96% dos condutores embriagados de circulação antes que se envolvam em qualquer acidente. O endurecimento provocou uma mudança de comportamento da população, que já busca transporte alternativo devido à ação efetiva”, diz.

Fonseca já foi agente de trânsito e diretor de Policiamento e Fiscalização de Trânsito da autarquia. Para ele, a parceria com a corporação faz com que as ações alcancem maior dimensão, uma vez que o número de servidores é aquém do ideal. “A integração faz a diferença na redução de mortos e feridos. Há contribuição relevante para a redução da violência”, crê.

Hoje, segundo a autarquia, há 593 agentes de trânsito, que representam 48,7% dos servidores, e realizam uma média de seis ações de fiscalização por dia. O ideal seria um profissional para cada grupo de mil veículos. Com frota do DF de 1.703.408 automóveis, deveria haver mais de 1,7 mil agentes na rua.

“Temos de empregar o efetivo em redução de acidentes, eventos que interferem no trânsito – e neste ano já foram dez mil -, manter a fiscalização rotineira e, agora, com a chuva, fazer ações com a Defesa Civil. Não é muita gente. Temos que trabalhar de forma estratégica para manter os índices em queda”, afirma Fonseca.

O DER opera com efetivo ainda menor: são 171 agentes nas ruas. Desde o início do ano, houve 147 operações em rodovias.

PONTO DE VISTA
ESPECIALISTA EM TRÂNSITO, MÁRCIO DE ANDRADE DIZ QUE, EMBORA OS ÓRGÃOS DE TRÂNSITO FAÇAM SEUS TRABALHOS, AS AUTUAÇÕES DA POLÍCIA MILITAR SE DESTACAM PELA QUANTIDADE DE EFETIVO. “PENSO QUE OS ÓRGÃOS DE TRÂNSITO SÃO AGENTES DA SEGURANÇA PÚBLICA. FAZEM OPERAÇÕES, ENGENHARIA, MANUTENÇÃO. TÊM PAPEL DE EXTREMA IMPORTÂNCIA NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES. AQUI, A POLÍCIA MILITAR É UMA DAS MAIS BEM RELACIONADAS E CAPACITADAS NA ÁREA DE AUTUAÇÃO DE TRÂNSITO E O CONVÊNIO É DE EXTREMA IMPORTÂNCIA”, OPINA. ELE LEMBRA QUE QUALQUER MILITAR EM SERVIÇO PODE MULTAR, JÁ QUE ELES SÃO CAPACITADOS PORQUE É TEMA DO CURSO DE FORMAÇÃO.

 

Jéssica Antunes
Jornal de Brasília

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

um × 4 =

Mais lidas

Send this to a friend