Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

Decisão sobre futuro de Sandra Faraj na Câmara é adiada

Avatar

Publicado

em

A Câmara Legislativa adiou para a quarta-feira (22) a reunião que deve decidir pela admissibilidade da ação protocolada pela ONG Adote um Distrital contra a deputada Sandra Faraj (SD).

A parlamentar, acusada de embolsar recursos da verba indenizatória, disse por meio de sua defesa, que as notas fiscais e os boletos emitidos pela Netpub, não constavam no banco de dados da Receita Federal. O material é considerado falso. O próximo encontro está previsto para às 9h daquele dia.

“Temos agora dois fatos novos, um deles acusa e outro favorece a defesa. Iremos dar este prazo para que a defesa da deputada possa apresentar seus argumentos com relação à nota. Faremos o que for melhor para a instituição. Se o melhor for encaminhar para a procuradoria, assim será feito, caso contrário será arquivado.Na quarta tomaremos as medidas necessárias”, disse o presidente da casa, Joe Valle.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼
Leia também:  Um novo visual com a reforma das quadras 507 e 508 Sul

Sandra Faraj faz parte da Mesa Diretora, mas, por razões óbvias, não participou da votação que estava marcada para esta manhã. Ficam responsáveis pela comissão, os deputados Joe Valle, Wellington Luiz, Raimundo Ribeiro e Robério Negreiros. Tendo este último já revelado publicado por meio de protocolo seu voto a favor, para abertura de inquérito de investigação. Se, por acaso, o placar ficar em dois a dois, quem desempata é o presidente Joe Valle.

Saiba Mais

Sandra é acusada de não pagar os serviços prestados por uma empresa ao gabinete dela, na ordem de R$ 150 mil. A empresa Netpub Agência de Comunicação e Tecnologia alega que quitou as notas, por orientação da equipe da parlamentar, mas que não recebeu os valores.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼
Leia também:  Ibaneis: Lázaro faz polícias ‘quase que de bobas’

A defesa da deputada alega que as notas, que já foram reembolsadas pela Casa com recursos da verba indenizatória, foram pagas com dinheiro. E que, por este motivo, não havia comprovação do repasse, a não ser as próprias notas.

Jornal de Brasília

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *