Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

Blocos do DF comandam projetos sociais que envolvem saúde e capacitação

Avatar

Publicado

em

Com o fim do Carnaval, é hora de guardar a fantasia no armário, se recuperar dos excessos e retomar os projetos pessoais. Certo? Errado.

Agora, os blocos de rua se concentram em ações sociais para promover causas e ajudar pessoas. Organizadores provam que a folia não é só festa e que é possível uni-la à responsabilidade social.

Muitas das agremiações possuem projetos de luta contra homofobia e violência contra a mulher, além de capacitação profissional e assistência social.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Saiba mais

  • Esses e outros blocos de Brasília e do Rio de Janeiro estão participando de um concurso que premiará com
    R$ 200 mil as melhores ações sociais.
  • A competição organizada pela cervejaria Ambev, por meio da Antarctica, será decidida por votação popular no sitewww.antarctica.com.br/
    latacoisaboa. É possível votar até 7 de março.

Organizador do bloco Virgens da Asa Norte, o biólogo Wagner Lucena vê o Carnaval como uma ótima ocasião para que temas importantes sejam discutidos. A conscientização em relação a doenças sexualmente transmissíveis e uso de camisinha é alvo das campanhas do bloco.

Leia também:  Ibaneis apresenta pacote Pró-Economia e critica antecessores

“Entendemos que em qualquer evento onde milhares de pessoas se aglomeram é possível passar mensagens importantes. O Carnaval é produtivo do ponto de vista cultural, social e artístico. É durante ele que questões tabus são discutidas “, afirmou.
Para ir além da mensagem durante as festas, o Virgens de Asa Norte tem convênio com a Secretaria de Saúde e com ONGs que fazem testagem de DSTs e apoio aos pacientes que recebem resultados positivos.

Já o bloco Maria Vai Casoutras ajuda as vítimas de violência doméstica a se profissionalizar. Elas têm a possibilidade de participar de oficinas de confecção de bijuterias com materiais reciclados, além de aulas de percussão. Afinal de contas, trata-se de um grupo de percussionistas formado por mulheres.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“Os blocos são movimentos culturais e populares. Então as manifestações que também produzem mensagens importantes agregam ainda mais. Trazemos questões relacionadas aos direitos das mulheres nas nossas músicas”, contou Tatiane Valente, organizadora do Maria Vai Casoutras e servidora pública.

Leia também:  Polícia apreende cerca de 50 mil dúzias de ovos vencidos no DF

Luta contra preconceitos

Apesar de não se intitular um bloco LGBT, o Cafuçu do Cerrado tem a proposta de lutar contra o preconceito e a intolerância. As campanhas nas redes sociais investem em mensagens a favor da diversidade o ano todo.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“Falamos contra todo tipo de preconceito, não só de questões gênero, mas também contra a discriminação racial e social. O nosso bloco é feito para que todos que estão lá se sintam iguais e participem da festa do mesmo jeito”, contou o músico produtor cultural Leandro Formiga. Para este ano, a intenção é expandir as ações sociais e promover oficinas de instrumentos sociais.

O bloco Libre, por sua vez, tem foco na diversidade cultural e meio ambiente. Uma das principais bandeiras é o transporte público gratuito. Segundo o produtor cultural Márcio Apolinário, o Libre é democrático por proporcionar liberdade cultural e de expressão.

Leia também:  Polícia apreende cerca de 50 mil dúzias de ovos vencidos no DF

“Realizamos eventos todo mês, onde convidamos artistas independentes para se apresentar. Além disso, temos um momento no qual deixamos o microfone aberto para quem tenha algo para falar”, explicou o organizador.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Daniel Cardoso

Jornal de Brasília

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *