Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

Corpo de professor é resgatado com dificuldade

Avatar

Publicado

em

O Corpo de Bombeiros goiano informou que foi contatado a respeito do desaparecimento do professor apenas ontem à tarde. A partir de então, teriam auxiliado nas buscas com mergulhadores e cães farejadores.

Eric Zambon

Os bombeiros de Formosa tiveram dificuldade para extrair o corpo do professor de física Carlos Brasileiro Pita, de 31 anos. A equipe de resgate moveu a vítima do ponto onde foi encontrada para uma base mais acessível, mas ainda assim o helicóptero da corporação não conseguia descer ao local. O corpo foi retirado pelo Instituto Médico Legal (IML) de Formosa somente por volta das 18h30.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

A suspeita inicial dos bombeiros é que o professor tenha tentado escalar um paredão de rochas, se desequilibrado e batido a cabeça na queda. “Essa é nossa suposição devido aos ferimentos no corpo. Foi constatado um traumatismo craniano.”, especulou o tenente Ornelas, dos Bombeiros de Formosa (GO). A causa da morte é investigada pela Polícia Civil.

Leia também:  Ibaneis: Lázaro faz polícias ‘quase que de bobas’

Segundo os bombeiros de Formosa, o corpo foi encontrado a alguns metros afastado de uma das trilhas da cachoeira Indaiá, a cerca de 110 km de Brasília, nos limites de Formosa (GO).

Visitantes que percorreram o caminho hoje no início da tarde relataram que a trilha é de média dificuldade, mas que para acessar as cachoeiras é preciso realmente sair do caminho.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

A perícia da Polícia Civil do DF chegou ao local onde está o corpo por volta das 17h.

O carro de Pita foi encontrado no estacionamento da cachoeira na tarde desse domingo (25). Segundo os bombeiros, o veículo estaria no local desde o dia 22, com os pertences e as roupas de Carlos no interior.

Mais cedo, a mãe do professor, Virgínia Miranda, havia confirmado, no Facebook, a morte do filho.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼
Leia também:  PCDF divulga projeção de disfarce de Lázaro
Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *