Siga o Jornal de Brasília

Grande Brasília

Guerra no Ibram prejudica ações de proteção ao meio ambiente no DF

Avatar

Publicado

em

Segundo as denúncias apuradas pelo MP, a presidente do instituto, Jane Vilas Bôas, tem cancelado autuações e multas em empreendimentos públicos e particulares, tudo com respaldo de um decreto do Executivo, que também é questionado pelos promotores. Dirigente nega as acusações

Documentos obtidos com exclusividade pelo Metrópoles mostram que multas e embargos expedidos por auditores do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) contra obras e entidades de relevância política para o Governo do Distrito Federal (GDF) têm sido sistematicamente revogados pela presidente do órgão, Jane Vilas Bôas. A queda de braço entre os dois lados chegou a colocar o nome do governador Rodrigo Rollemberg (PSB) no centro da crise e o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) a intervir no debate.

Para os auditores, a presidente tem cometido irregularidades e ingerências sobre a função deles. Jane Vilas Bôas, por sua vez, diz que os servidores não têm mantido parâmetros que justifiquem as ações. Nos bastidores, o pano de fundo seria uma tentativa dos auditores de serem transferidos para a Agência de Fiscalização do DF (Agefis).

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼
Leia também:  A tatuagem como caminho para a ressocialização

No centro da polêmica, está também o Decreto nº 37.506/16, de autoria do Executivo, que remete a aplicação de multas e autuações contra empreendimentos que supostamente estejam cometendo irregularidades ambientais à aprovação de um superior. No começo de setembro, auditores participaram de audiência para tratar do tema. O decreto também é questionado pelo Ministério Público de Contas, que recentemente pediu ao Tribunal de Contas do DF que apure o caso.

Leia mais no Metrópoles.com

 

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *