Siga o Jornal de Brasília

Esporte

Nuzman diz que COB não é responsável por manuteção de arenas olímpicas

Avatar

Publicado

em

Dirigente diz que investimento no esporte volta ao nível de Sydney-2000

 

Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico do Brasil e do Rio-2016 se eximou da responsabilidade na manutenção e no uso futuro das instalações do Parque Olímpico. Após projeto frustrado de parceria com a iniciativa privada, cinco arenas, incluindo o velodromo, estão fechadas e sob responsabilidade do Ministério do Esporte. Nuzman afirmou que o COB tem interesse em abraçar uma das arenas apenasa se tiver recurso para isso.

— O COB não tem responsabilidade nisso. Lá atrás, estabelecemos que não fazemos obras. Não temos a responsabilidade de dizer o que vai ser feito. Não é que lavo as mãos mas tenho limites financeiros, por causa da manutenção, e de como se deve usar essas instalações porque não temos interferência. O COB entregou antes mesmo dos Jogos Olímpicos um projeto esportivo para o uso do Parque Olímpico. Fico preocupado, é natural. — comentou Nuzman, que admitiu interesse em adminialstrar uma das arenas.

— Temos interesse sim em administrar uma das arenas, a maior até. Mas precisamos de recursos para isso.

Sobre a situação financeira da entidade e das confederações, Nuzman afirma que o esporte olímpico volta a Sydney 2000.

— Era natural que se esperasse esse cenário com menos patrocinadores e a não renovação de parcerias. Voltamos a antes de Sydney. De 2002 a 2016 tivemos grandes eventos esportivos com nossa organização e a origem dos recursos eram diversas — compara Nuzman, que não quis informar o valor da dívida do Rio 2016. — O evento foi de R$ 90 bilhões e essa dívida é de cerca de 1% (90 milhões). Estamos resolvendo nossa dissolução.

Nuzman tambem afirmou que para Tóquio 2020 a entidade não divulgaria mais metas de medalha. O Brasil não atingiu a meta no Rio, que era o décimo lugar.

— Não fui eu que divulguei. Não falaremos mais sobre metas. Não falo sobre metas — respondeu referindo-se a Marcus Vinicius Freire, ex-superintendente de Esportes do COB com o qual teve desentendimentos.

Agência O Globo

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *