Siga o Jornal de Brasília

Destaque

Flamengo quebra jejum contra o Vasco e avança à final na Taça Guanabara

Brasília de Fato

Publicado

em

flamengo

Meia rubro-negro também carimbou a trave e foi o melhor da equipe. Vasco não conseguiu reagir no Raulino de Oliveira, com menos de sete mil torcedores presentes

O incômodo jejum de nove jogos do Flamengo sem vitórias sobre o Vasco chegou ao fim. Mesmo com um futebol fraco e público inferior a 6 mil pagantes, muito em virtude da indefinição durante a semana sobre o local e a sensação de segurança, o time rubro-negro comemorou a vitória sobre o rival por 1 a 0, neste sábado, no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, placar que o garantiu na final da Taça Guanabara, o primeiro turno do Campeonato Carioca.

Na grande decisão, a equipe comandada pelo técnico Zé Ricardo enfrentará o Fluminense, que empatou sem gols com o Madureira e conquistou a vaga por ter feito melhor campanha na fase de grupos. Para a final, que será disputada na próxima semana, no domingo, o empate levará o jogo para os pênaltis. O local do confronto ainda será definido pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

O jogo que marcou o fim do tabu de nove jogos sem vitórias do Flamengo no clássico – seis derrotas e três empates – não começou com clima de decisão. Com público inferior a 50% da capacidade do estádio, os dois times tiveram um início lento, sem criatividade.

Por possuir a vantagem do empate, o Flamengo foi cauteloso, com avanço tímido dos laterais. Nos primeiros 25 minutos foram apenas duas finalizações dos dois times. Uma de Kelvin, outra de Éverton, ambas defendidas pelos goleiros.

Flamengo x Vasco – Fotos: Gilvan de Souza / Flamengo

Aos poucos, o jogo começou a ficar mais aberto. Pela esquerda, o atacante Éverton era o melhor do Flamengo e levou perigo ao adversário, após rápida jogada e cruzamento para Guerrero, mas a defesa afastou o perigo em tempo. O Vasco respondeu com Thalles, mas o centroavante demorou a finalizar e perdeu a chance do gol.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Com os jogadores cada vez mais nervosos, o clássico começou a ficar mais truncado, com seis cartões amarelos sendo distribuídos. Nos minutos finais do primeiro tempo, Luan falhou na marcação de Éverton e cometeu pênalti. Diego cobrou com estilo, no meio do gol, e fez 1 a 0, aos 40.

Atrás no placar e com a necessidade de virar para avançar à final, o Vasco voltou mais agressivo, com marcação no campo de ataque. Mas a pressão não surtiu efeito e o time quase sofreu o segundo. Em ótima jogada entre Diego e Guerrero, Willian Arão recebeu na pequena área e perdeu ótima chance para ampliar o placar.

A cada minuto, o desespero vascaíno aumentava, com buracos na defesa. Em um contra-ataque, Berrío fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Guerrero, que chegou atrasado. Aos 25, Henrique salvou o time cruzmaltino. Após chuta de Diego, Martin Silva deu rebote nos pés de Réver, que finalizou e viu o lateral impedir o gol na linha.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

A pressão do Flamengo prosseguiu, mesmo com a vantagem no placar. Aos 41, Guerrero recebeu livre na entrada da área e viu Martin Silva fazer boa defesa. No rebote, Rõmulo também arriscou e o goleiro pegou novamente. Sem forças, o Vasco passou a evitar um resultado mais elástico e aguardou o apito final e a festa rubro-negra nas arquibancadas.

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO 1 x 0 VASCO

FLAMENGO – Alex Muralha; Pará, Réver, Rafael Vaz e Trauco; Rômulo, Willian Arão, Mancuello (Gabriel) e Diego; Éverton (Berrío) e Guerrero (Felipe Vizeu). Técnico: Zé Ricardo.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

VASCO – Martin Silva; Gilberto, Luan, Rodrigo e Henrique; Douglas (Guilherme Costa), Jean, Wagner (Escudero) e Nenê; Kelvin (Muriqui) e Thalles. Técnico: Cristóvão Borges.

GOL – Diego, aos 40 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS – Pará, Mancuello e Trauco (Flamengo); Jean, Rodrigo, Kelvin e Luan (Vasco).

ÁRBITRO – Leonardo Garcia Cavaleiro.

RENDA – R$ 309.130.

PÚBLICO – 5.484 pagantes (6.979 no total).

LOCAL – Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ).

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *