Siga o Jornal de Brasília

Esporte

Orgulhoso, Rickson Gracie exalta o filho Kron: “Maior vitória da carreira”

Publicado

em

Lenda das artes marciais garante que herdeiro está no caminho certo e enxerga evolução: “O resultado colocou o Kron no mesmo nível dos melhores dessa categoria”

 

Do lado de fora do ringue, Rickson Gracie orienta, gesticula e, principalmente, acompanha o filho Kron traçar sua carreira no MMA. No mesmo país – o Japão – onde pavimentou sua estrada no Vale-Tudo, o veterano testemunhou, no dia 31 de dezembro, o peso-pena finalizar Tatsuya Kawajiri com um mata-leão, no segundo round, pela quarta edição do Rizin.

A vitória seria motivo suficiente para Rickson comemorar, afinal, Kron manteve-se invicto em seu quarto confronto de MMA. O ex-lutador, contudo, em entrevista exclusiva ao Combate.com, destaca a evolução do pupilo, que venceu um ex-atleta do UFC, detentor de 35 triunfos no esporte.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

– Eu estou muito orgulhoso pelo resultado e pelo trabalho que é feito objetivamente para o MMA. A preparação do Kron não é só técnica… é física, mental e vem sendo trabalhada de forma muito harmoniosa e completa, a ponto de ele executar 110% em todas as áreas. Não vejo o resultado como novidade ou surpresa, enxergo como a confirmação de um trabalho. Sem dúvida nenhuma foi a maior vitória da carreira dele. O Hideo Tokoro era um cara experiente, profissional, mas com recorde de 32 vitórias e 28 derrotas. Não se compara ao cartel do Kawajiri, que tem 35 vitórias e 11 derrotas, todas para caras de ponta. É uma pedreira, poucos o venceram por finalização. Esse resultado botou o Kron no mesmo nível dos melhores dessa categoria. Não tenho dúvidas que ele está confortável para enfrentar qualquer adversário.

Defensor da arte da família, que expandiu o jiu-jítsu pelo mundo, Rickson Gracie explica que Kron está se aprimorando em todas as áreas para, quando houver espaço, levar o duelo ao solo e, ali, finalizar o oponente e honrar suas raízes.

O Kron não é um expert na trocação, mas ele a desenvolveu a ponto de se sentir confortável em pé. Ele não se sente obrigado a levar a luta para o chão. Quando sente que é o momento ideal, sem hesitação, leva e mostra uma guarda específica para o Vale-Tudo
Rickson Gracie

– O Kron não é um expert na trocação, mas ele a desenvolveu a ponto de se sentir confortável em pé. Ele não se sente obrigado a levar a luta para o chão. Quando sente que é o momento ideal, sem hesitação, leva e mostra uma guarda específica para o Vale-Tudo, bem da que é feita no jiu-jítsu esportivo. A diferença é que, na guarda de defesa pessoal, você mantém o adversário sob pressão para ter espaço para bater. Os lutadores de jiu-jítsu têm medo de puxar para a guarda, porque não conhecem a guarda de defesa pessoal. No primeiro round, o Kron quase finalizou e, no segundo, quando a carne estava macia de tanto trocar com o Kawajiri, chegou lá. Não foi por sorte, ele amassou, cadenciou e escalou para finalizar. Ele usa toda a sua habilidade para se sentir confortável em todas as áreas e finalizar com o jiu-jítsu.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Enquanto a carreira de Kron Gracie se desenvolve no Japão, a expectativa gira em torno de uma futura ida do atleta para o UFC. Rickson não vê pressa para que isso aconteça, explica alguns pontos desfavoráveis do Ultimate e afirma que o faixa-preta precisa de mais rodagem.

Kron Gracie finaliza Tatsuya Kawajiri no segundo round pelo Rizin 4 (Foto: reprodução/Youtube)

– O UFC tem várias desvantagens. A primeira é que as regras protegem os trocadores, não faz com que os lutadores se comprometam com a vitória. Fica uma luta feia, round por round. Se o lutador ganha os dois primeiros, no terceiro, luta apenas para não perder. É uma luta mais esportiva do que ir até o final e dar tudo de si. Joga-se com a estratégia. Uma outra deficiência é ser no cage, que o cara usa para se proteger no chão e para se levantar. Lutar no ringue é mais eficiente. E o primeiro round ser de 10 minutos torna a luta diferente. Se fossem cinco minutos, teria sido muito pior para o Kron. É claro que ele poderia lutar no UFC, não tem problema em lutar no cage, mas para entrar no UFC por baixo da mesa… Os caras fazem um contrato leonino, onde mandam, anulam a qualquer momento, pagam barato. O Kron precisa de mais projeção para, eventualmente, mudar (de evento) e ser acolhido com o respeito e o posicionamento que tem como lutador. Acredito que ele possa lutar pelo título do UFC um dia. Tomara… Mas não é plano para agora, ele precisa de mais vitórias, de mais lutas. Guerreiro eu sei que ele é e vai lutar de novo muito em breve, há várias possibilidades.

 

Por Marcelo Barone

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Rio de Janeiro

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *