Já pensou em trabalhar no exterior? DF recebe palestra gratuita sobre internacionalização de carreira para os EUA

internacionalização de carreira

Brasil está entre os 10 países onde as pessoas mais imigram. Situação atual da política nacional incentiva o desejo de imigração de brasileiros

Nesta terça-feira (23) os interessados em internacionalizar carreiras poderão participar de uma palestra gratuita sobre o assunto. Sob o comando de Rodrigo Lins, mestre em comunicação, o talk abordará temas como, por exemplo, o que fazer para conseguir obter o desejado green card para trabalhar e viver nos EUA. A participação é gratuita e aberta ao público. O evento será realizado no auditório da faculdade Estácio de Sá, no Pistão Sul, em Taguatinga, a partir das 9h.

Em 2016, Rodrigo Lins mudou-se para os Estados Unidos, onde qualificou-se para obtenção do Green Card (Documento de Residência Permanente nos EUA) por meio de sua qualificação profissional considerada Extraordinária pelo Governo Americano. O profissional abriu sua própria agência de Comunicação, Marketing e Imprensa – Onevox Creative Solutions que hoje está entre as maiores da Flórida-EUA. Em 2018, para auxiliar profissionais brasileiros que desejam internacionalizar suas carreiras aos Estados Unidos.

Imigração brasileira

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O Brasil está entre os 10 países onde as pessoas mais saem do país. No ano passado, cerca de dois mil milionários brasileiros foram viver no exterior, segundo pesquisa divulgada pela consultoria Global Wealth Report Review 2018. E com a crise político econômica instaurada atualmente, não para de crescer o número de interessados em deixar o Brasil para viver em outro local. Dados da Receita Federal apontam que, só em 2017, houve um aumento de 400% no número de brasileiros que querem imigrar, foram 22 mil declarações de saídas definitivas do país.

Os dados do Instituto Datafolha revelam que cerca de 70 milhões de brasileiros com 16 anos ou mais deixariam o Brasil se pudessem. Na pesquisa, feita em todo o Brasil, 43% da população adulta manifestou desejo de sair do País. Entre os que têm de 16 a 24 anos, a porcentagem vai a 62%. São 19 milhões de jovens com intenção de deixar o Brasil, o equivalente a toda a população de Minas Gerais, por exemplo.

A saída dos brasileiros conta principalmente com aqueles que têm perfil socio-econômico ativo, como empresários que desejam investir e empreender, principalmente nos Estados Unidos. “Passamos por uma grande mudança de perfil imigratório aqui nos Estados Unidos. Há pouco mais de 10 anos os imigrantes brasileiros eram atraídos por ofertas de trabalho em funções operacionais e mais braçais no território americano. Ao chegar nos EUA comecei um estudo sobre as possibilidades imigratórias permanentes para estrangeiros e me deparei com a categoria de Green Cards concedidos pelo Governo americano para profissionais de sucesso vindos de outro país – o conhecido ‘Visto Einstein'”, revela Rodrigo Lins, jornalista brasileiro, que ganhou o sonhado ‘Green Card’ para residir permanentemente nos Estados Unidos.

Para o jornalista a internacionalização de carreiras é uma forma de ‘entrar pela porta da frente’ nos Estados Unidos com reconhecimento do mérito intelectual do profissional. Os vistos Eb-1 A, Eb-2 e O garantem possibilidades imigratórias para profissionais brasileiros que queiram levar suas carreiras para os Estados Unidos como especialistas em diferentes áreas.

Sucesso da comunidade brasileira nos EUA

Um estudo de pesquisadores brasileiros divulgado em 2017 mostrou que os domicílios chefiados por imigrantes brasileiros tiveram uma renda domiciliar média de US$ 55.463 de dólares. Este rendimento anual foi superior ao dos domicílios chefiados pelos outros imigrantes (US$ 49.484) e superior ainda ao dos chefiados por americanos nativos (US$ 54.455).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

O mapeamento foi consolidado com base em dados do governo americano e do Itamaraty revela que a comunidade brasileira nos Estados Unidos está mais integrada do que a média dos outros imigrantes no país, é mais qualificada e ganha melhor até do que os próprios americanos. Os dados compõem o livro “Brasileiros nos Estados Unidos: Meio Século Refazendo a América (1960-2010)” lançado em 2017 pelos pesquisadores Álvaro de Castro e Lima e Alanni Barbosa de Castro.


SERVIÇO
Palestra Internacionalização de carreira
Onde: Centro Universitário Estácio – Pistão Sul, Taguatinga – G Sul 9 Q CS CSG 9 11/12/15/16
Quando: 9h, terça-feira (23 de Outubro)
Evento gratuito

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

onze − 5 =

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend