“Choro Iorubá” é o primeiro trabalho solo do músico Samuel Mota

Samuel Mota

Primeiro trabalho solo do guitarrista da banda Muntchako, Choro Iorubá é um disco de sambas e marca sua estreia como cantor

Celeiro de grandes artistas, Brasília surpreende dia-a-dia com a qualidade e versatilidade de seus músicos. Não é diferente com Samuel Mota, multi-instrumentista autodidata, compositor e produtor musical que em setembro lança seu primeiro álbum solo, “Choro Iorubá”. Com doze faixas, o disco traz uma nova faceta do músico, desta vez assumindo os microfones, além de ter base no samba, fato que o coloca em diálogo com grandes mestres da MPB.

Samuel tem longa trajetória em Brasília. Iniciou sua carreira junto à banda de reggae Jah Live e posteriormente tocou e dirigiu trabalhos do rapper GOG, tendo também acompanhado o clássico vocal do reggae Renato Matos. Atualmente faz parte do grupo Muntchako, trio instrumental de grande reconhecimento na nova música brasileira, no qual atua como produtor musical, multi-instrumentista e compositor.

Choro Iorubá de Samuel Mota. Arte da capa: Daniel Vincent
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Com o caminho desde sempre ligado à contemporaneidade e a fusão de estilos e texturas sonoras, Samuel buscou em seu primeiro disco prestar uma reverência à ancestralidade sonora que o inspira na música brasileira: o samba. Durante o processo de criação do disco, chegou ao número de 46 canções prontas, que foram minuciosamente selecionadas para compor “Choro Iorubá”. A inspiração durante as madrugadas de composição veio de mestres como João Bosco, Chico Buarque, Cartola e Nelson Cavaquinho.

“Penso que o samba é o nosso blues! Um canto de lamento que se torna poesia. Por isso “Choro Iorubá”: o canto de lamento, doce, cheio de ternura, verdade, e dignidade interior. Não é o choro do mais fraco, não é o choro dos derrotados. É o choro de esperança, dos fortes guerreiros, dos reis afastados de seu trono, de sua terra natal. É o choro do coração vivo, que vê as injustiças, e se comove por elas. É o choro dos sambistas, onde sua poesia nasce no berço das novas senzalas, desse Brasil ainda tão apegado ao seu passado colonial, escravista, segregador. Nas comunidades dos morros, marcadas pela complexidade das problemáticas urbanas do terceiro mundo, nascem as mais belas flores do jardim poético de nossa música brasileira”, explica Samuel.

“Choro Iorubá” tem a produção musical assinada por Dudu Maia e coprodução de Samuel Mota. O disco contou com os músicos Renato Galvão (bateria), Pedro Miranda (baixo elétrico e acústico), Serge Frasunkiewicz (teclados), Dudu Sete Cordas (violão 7 cordas), Pedro Vasconcelos (cavaco) e Valerinho Xavier (percussão). Samuel é o responsável por voz, backing vocals, violão, guitarra, baixo, synths e percussões incidentais, além de assinar todas as composições. O disco ainda contou com as participações especiais de Alberto Salgado, Chico Teixeira, Felipe Viegas, Dudu Maia e Vinícius de Oliveira. A arte da capa é assinada pelo artista paraibano Daniel Vincent.

O lançamento do álbum está previsto para 03 de setembro, com ampla divulgação nas redes sociais do artista e disponibilidade em todas as plataformas digitais (Spotify, Deezer, iTunes, Youtube).


Lançamento do disco “Choro Iorubá”
Quando: 03 de setembro de 2018
Onde: https://www.samuelmota.com/

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

sete + 20 =

BDF na Rede

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend